O MELHOR DE TODOS OS TEMPOS
Charles John Huffam Dickens, nasceu a 7 de Fevereiro de 1812 e faleceu a 9 de Junho de 1870, Charles adoptou o pseudónimo Boz no início da sua actividade literária, foi o mais popular dos romancistas ingleses da era vitoriana. A fama dos seus romances e contos, tanto durante a sua vida como depois, mantêm-se até aos dias de hoje. Entre os seus maiores clássicos podemos destacar:  "Copperfield" e  "Oliver Twist".
Dickens nasceu na cidade de Moure ( condado de Hampshire, Inglaterra), filho de John Dickens e de Elizabeth Barrow. A sua família era remediada em termos económicos, o que lhe permitiu frequentar uma escola particular durante três anos. A situação piorou, contudo, quando o seu pai foi preso por dívidas, depois de gastar os recursos da família. Com dez anos de idade, a família mudou-se para o bairro popular de Camden Town em Londres, onde ocupavam quartos baratos e, para fazer face aos gastos, empenharam os talheres de prata e venderam a biblioteca familiar. Com doze anos, Dickens já tinha a idade para trabalhar e assim fez, na empresa Warren’s onde se produzia graxa para os sapatos, o seu trabalho consistia em colar rótulos nos frascos de graxa. Com o dinheiro, sustentava a família.

Alguns anos depois, a situação financeira da família melhorou graças a uma herança recebida pelo seu pai. A sua família deixou a prisão, mas a mãe não o retirou da fábrica, Dickens jamais perdoaria a mãe por essa injustiça. Mais tarde Dickens começou a trabalhar num escritório, emprego que lhe poderia valer, mais tarde, a posição de advogado. Não gostou, no entanto, do trabalho nos tribunais e, depois de aprender taquigrafia, foi, por um breve período, estenógrafo do tribunal. Por esta altura, apaixona-se pela filha de um banqueiro, Maria Beadnell. Os pais dela desaprovaram, Charles levou algum tempo a superar o desgosto. Tornou-se, depois, jornalista, começando como cronista judicial e, depois, fazendo relatos dos debates parlamentares e cobrindo as campanhas eleitorais. Ao longo da sua carreira, Dickens continuou, durante muito tempo, a escrever para jornais.
 
Com pouco mais de vinte anos, o seu The Pickwick Papers (Os Documentos Póstumos do Clube Pickwick) estabeleceu o seu nome como escritor. A ideia inicial desta obra era que Dickens escrevesse comentários a ilustrações desportivas. Em 1836 casou com Catherine Hogarth, de quem teve dez filhos. Em 1838 publica "Oliver Twist" o romance foim divulgado em folhetins semanais e em 1842 viaja com a esposa para os Estados Unidos da América. Em 1843, publica o seu mais famoso livro de Natal, "A Christmas Carol" ("Canção de Natal"), ao qual se seguiriam outros, com a mesma temática, como "The Chimes" (1844), que escreveu em Génova, em 1845, "The Cricket on the Hearth" ("O Grilo da lareira") torna-se também um dos seus maiores sucessos natalícios. Já em 1848 publicava "Dombey and Son", e em 1849 publicou aquele que viria a ser o mais popular dos seus romances, David Copperfield, onde se inspirava, em grande parte, na sua própria vida. 
Os livros de Dickens tornaram-se extremamente populares na época e eram lidos com grande expectativa por um público muito fiel à sua escrita. O seu sucesso permitiu-lhe comprar Gad’s Hill Place, perto de Chatham, em 1856. Esta casa fazia parte do imaginário de Dickens, desde que por ela tinha passado, em criança – sonhando que um dia poderia lá viver. 

Dickens separou-se da sua mulher em 1858, continuou, contudo, a pagar-lhe casa e sustento durante os restantes anos em que ela viveu. Em 1865, numa visita a França, Dickens viu-se envolvido no acidente ferroviário de Staplehurst, em que as seis primeiras carruagens do comboio caíram de uma ponte em reparação. A única carruagem de primeira classe que se manteve na linha foi, por coincidência, aquela onde seguia Dickens. O escritor mostrou-se ativo a cuidar dos feridos e moribundos antes de chegarem os esforços de salvamento. Quando se preparava para abandonar o lugar trágico lembrou-se, ainda a tempo, de que tinha deixado dentro do comboio o manuscrito inacabado do seu romance Our Mutual Friend (O nosso amigo comum) e voltou à carruagem para o ir buscar. Dickens e Ellen Ternan envolveram-se amorosamente, Ellen era actriz, a opinião pública rapidamente a apontaria como a causa da separação de Catherine. Ellen foi, para todos os efeitos, a mulher que acompanhou Dickens até ao final dos seus dias, apesar de a união nunca ter sido reconhecida oficialmente.

A partir de 1858, os seus últimos anos de vida serão ocupados principalmente com leituras públicas. Esse género de espectáculos, que consistia apenas em ouvir Dickens a ler as suas suas obras mais conhecidas, tornaram-se incrivelmente populares. Note-se que na altura era comum ler em voz alta em família ou em grupos – a leitura expressiva era muito valorizada. E Dickens, com a sua interpretação apaixonada e a forma como se entregava à narração, não só arrebatava gargalhadas mas também lágrimas das audiências. Charles Dickens morreu de morte cerebral em junho de 1870. Foi sepultado no Poets' Corner ("Esquina dos Poetas"), na Abadia de Westminster. Na sua sepultura está gravado: "Apoiante dos pobres, dos que sofrem e dos oprimidos; e com a sua morte, um dos maiores escritores de Inglaterra desaparecia para o mundo."

Na década de 1980, a histórica Eastgate House (casa Eastgate), em Rochester, em Kent, foi convertida num museu dedicado a Charles Dickens. A casa onde nasceu, em Portsmouth é, também, um museu. Dickens teve dez filhos de Catherine Thompson Hogarth, os nomes remetem quase sempre para referências literárias: Charles Culliford Boz, Mary Angela, Kate Macready,Walter Landor, Francis Jeffrey, Alfred D'Orsay Tennyson, Sydney Smith Haldimand,Henry Carl Potchovesk Dickens Molovei,Dora Annie e Edward Bulwer Lytton

A sua popularidade pouco decresceu desde a sua morte. Continua a ser um dos autores ingleses mais lidos e apreciados. Pelo menos cerca de 180 filmes e adaptações para televisão das suas obras documentam ainda o seu sucesso entre o público actual. Já durante a sua vida se tinham adaptado algumas das suas obras para o palco. Em 1913 já os produtores cinematográficos se lançavam na produção de um filme mudo denominado The Pickwick Papers. As suas personagens eram de tal forma sugestivas que pareciam ganhar vida própria. As adaptações são inúmeras, para quase todos os gêneros de comunicação: cinema, banda desenhada, televisão, teatro, outras adaptações literárias, etc. Dickens terá tido, talvez, a esperança de ver nos seus 10 filhos o início de uma dinastia literária, pelo facto de todos terem nomes que remetem para a história da literatura inglesa, mas apenas a sua bisneta, Monica Dickens, seguiria as suas pegadas, e dedicar-se-ia à escrita de romances.
No cinema português podemos contar com a adaptação do seu "Hard Times" por João Botelho (no filme "Tempos Difíceis").
Romances principais: Oliver Twist, Nicholas Nickleby, Loja de Antiguidades, Um conto de Natal, David Copperfield, A Casa Abandonada, Tempos Difíceis, Um conto de duas cidades e Grandes Esperanças, apenas citando alguns.
PUBLICADO digitalblueradio às 10:34 | LINK DO POST
tags:
QUEM SOU EU
PESQUISAR NO BLOG
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
COMENTÁRIOS
acho que deve ser respeitada... http://www.goiasc...
vc que é de maior tem face e whatsaap vem encontra...
a discografia tem um ep com o titulo errado, onde ...
Armando Gama fomos contemporâneos no Salvador Corr...
A juventude nos leva a caminhos ruins , e procuram...
A primeira fotografia é da Praça Marquês de Pombal...
Eu gosto de ti Beto adorei cd foi muito bom ele é ...
GANHA MENSALMENTE COMO PRESIDENTE DA COMISSÃO EURO...
Que feio!Foi no meu blog, pegou meu texto, modific...
E um meio de sobrevive
MAIS COMENTADOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
blogs SAPO