O MELHOR DE TODOS OS TEMPOS


Nasceu  em Moçambique, António Calvário da Paz, a 17 de Outubro de 1938. 
Mas para sempre será conhecido como António Calvário, um dos "Reis" da música ligeira portuguesa.
Aos 8 anos António veio viver para Portimão, onde a família fixou residência. 
Num colégio local fez a instrução primária e o 2° ciclo do liceu. 
Entretanto, prossegue as lições de piano que iniciara ainda em Moçambique. Um engano do reitor, que o confundiu com outro aluno, leva-o a cantar numa festa da escola. 
Acabou por cantar e a sua voz foi um grande êxito. 
Tinha 15 anos.
Três anos mais tarde,  António Calvário ruma a Lisboa. 
Em 1957 concorre a uma vaga na exigente Emissora Nacional. 
Foi apurado à primeira, entre mais de 30 participantes, com a canção Canta Brasil. 
Começa imediatamente uma carreira de cantor profissional que o conduz à posição de cabeça-de-cartaz.

António Calvário cantou na  Emissora Nacional, nos famosos serões para Trabalhadores.
Depois de uma aclamada passagem pelo 2º Festival da Canção Portuguesa, realizado no Coliseu do Porto em 1960, onde triunfa com o tema Regresso, Calvário transforma-se numa das coqueluches da época.
Em 1961, Calvário ganha o seu primeiro título de Rei da Rádio, viria a repeti-lo em 1963, 1965, 1966 e 1972. 
1963 é o ano em que o cantor se estreia no teatro. 
O grande êxito Chapéu Alto representa o início de uma série de papéis principais em várias revistas,
comédias e operetas, como Lábios Pintados (1964), Zero, Zero, Zé, Ordem para Pagar (1966), Duas Pernas, um Milhão (1967), Esta Lisboa que Eu Amo (1968), Mãos à Obra (1969) e Peço a Palavra (1969).
Se a televisão já contava com a sua presença regular, o cinema iniciava com Calvário um namoro que iria durar muitos anos. 
O seu primeiro filme, Uma Hora de Amor, onde contracena com Madelena Iglésias, foi realizado por Augusto Fraga em 1964. 
Outros filmes se seguirão: Rapazes de Táxis (1965), Sarilho de Fraldas (1966) o seu maior êxito, O Amor Desceu em Pára-quedas (1968), todos de Constantino Esteves.

Em 1964, António Calvário atingiu um dos momentos mais altos da sua carreira, ao ser o primeiro representante de Portugal no Festival da Canção da Eurovisão, realizado em Copenhaga, Dinamarca. 
A canção apresentada foi Oração, da autoria de João Nobre, Francisco Nicholson e Rogério Bracinha. 
Volta entretanto  à revista, no Teatro ABC, com as revistas Põe-te na Bicha e Direita Volver (ambas de 1978). 
Da primeira resultará um grande sucesso, o single Mocidade, Mocidade, de Eduardo Damas e Manuel Paião, que será "Disco de Ouro".
Ao longo da sua carreira gravou mais de 300 discos. 
Principais êxitos: 
Regresso, Oração, O Meu Chapéu, Sabor a Sal, Perdão para Nós Dois, Bom Dia, Meu Coração de Madeira, Namorados de Domingo, Hello Dolly, Mocidade Mocidade.

   
PUBLICADO digitalblueradio às 21:29 | LINK DO POST
QUEM SOU EU
PESQUISAR NO BLOG
 
Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
COMENTÁRIOS
acho que deve ser respeitada... http://www.goiasc...
vc que é de maior tem face e whatsaap vem encontra...
a discografia tem um ep com o titulo errado, onde ...
Armando Gama fomos contemporâneos no Salvador Corr...
A juventude nos leva a caminhos ruins , e procuram...
A primeira fotografia é da Praça Marquês de Pombal...
Eu gosto de ti Beto adorei cd foi muito bom ele é ...
GANHA MENSALMENTE COMO PRESIDENTE DA COMISSÃO EURO...
Que feio!Foi no meu blog, pegou meu texto, modific...
E um meio de sobrevive
MAIS COMENTADOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
blogs SAPO