O MELHOR DE TODOS OS TEMPOS
 A série "Heidi" é baseada no livro de 1880 da escritora Suiça, Johanna Spyri. A série foi produzida pela Nippon Animation e a EIZO Zuiyô em 1974. Foram produzidos 52episódios.
A série teve um enorme sucesso em toda a Europa e Portugal não foi excepção.

Heidi é uma menina órfã que vive com sua Tia. Um dia, a Tia arranja trabalho em Frankfurt e decide deixar Heidi aos cuidados do seu avô paterno que vive nas montanhas. O avô não é bem visto na sua aldeia, tanto que nem sai da sua casa nas montanhas. Mas os dois criam rapidamente uma empatia. Heidi adora viver nas montanhas e brincar com o seu amigo Pedro. Até que um dia, a Tia regressa às montanhas para levar Heidi para Frankfurt. A menina vai viver para a casa de uma família rica, onde conhece Clara, uma jovem muito só e parapelégica. Apesar de ficar amiga de Clara, Heidi não é feliz pois têm saudades das montanhas, do avô e do seu amigo Pedro.


                 A Heidi estreou em Portugal no ano de 1976 


PUBLICADO digitalblueradio às 20:53 | LINK DO POST
tags:
 A série "Heidi" é baseada no livro de 1880 da escritora Suiça, Johanna Spyri. A série foi produzida pela Nippon Animation e a EIZO Zuiyô em 1974. Foram produzidos 52episódios.
A série teve um enorme sucesso em toda a Europa e Portugal não foi excepção.

Heidi é uma menina órfã que vive com sua Tia. Um dia, a Tia arranja trabalho em Frankfurt e decide deixar Heidi aos cuidados do seu avô paterno que vive nas montanhas. O avô não é bem visto na sua aldeia, tanto que nem sai da sua casa nas montanhas. Mas os dois criam rapidamente uma empatia. Heidi adora viver nas montanhas e brincar com o seu amigo Pedro. Até que um dia, a Tia regressa às montanhas para levar Heidi para Frankfurt. A menina vai viver para a casa de uma família rica, onde conhece Clara, uma jovem muito só e parapelégica. Apesar de ficar amiga de Clara, Heidi não é feliz pois têm saudades das montanhas, do avô e do seu amigo Pedro.


                 A Heidi estreou em Portugal no ano de 1976 


PUBLICADO digitalblueradio às 20:53 | LINK DO POST
tags:
 A série "Heidi" é baseada no livro de 1880 da escritora Suiça, Johanna Spyri. A série foi produzida pela Nippon Animation e a EIZO Zuiyô em 1974. Foram produzidos 52episódios.
A série teve um enorme sucesso em toda a Europa e Portugal não foi excepção.

Heidi é uma menina órfã que vive com sua Tia. Um dia, a Tia arranja trabalho em Frankfurt e decide deixar Heidi aos cuidados do seu avô paterno que vive nas montanhas. O avô não é bem visto na sua aldeia, tanto que nem sai da sua casa nas montanhas. Mas os dois criam rapidamente uma empatia. Heidi adora viver nas montanhas e brincar com o seu amigo Pedro. Até que um dia, a Tia regressa às montanhas para levar Heidi para Frankfurt. A menina vai viver para a casa de uma família rica, onde conhece Clara, uma jovem muito só e parapelégica. Apesar de ficar amiga de Clara, Heidi não é feliz pois têm saudades das montanhas, do avô e do seu amigo Pedro.


                 A Heidi estreou em Portugal no ano de 1976 


PUBLICADO digitalblueradio às 20:53 | LINK DO POST
tags:
 Lúcia de Jesus dos Santos nasceu em Aljustrel, Fátima, Ourém, a 28 de Março de 1907 e faleceu em Coimbra a 13 de Fevereiro de 2005, conhecida no Carmelo como Irmã Lúcia do Coração Imaculado, Ordem das Carmelitas Descalças, e reverenciada por alguns católicos portugueses simplesmente como a Irmã Lúcia, foi, juntamente com Jacinta e Francisco Marto (os chamados «três pastorinhos»), uma das três crianças que viram Nossa Senhora na Cova da Iria, Fátima, durante o ano de 1917
 Lúcia nasceu no lugar de Aljustrel, próximo de Fátima, filha de António dos Santos e de Maria Rosa, tinha mais seis irmãos ela era a mais nova de sete: Maria dos Anjos, Teresa de Jesus Rosa dos Santos, Manuel Rosa dos Santos, Glória de Jesus Rosa dos Santos, Carolina de Jesus Rosa dos Santos e Maria Rosa. Tinha dez anos quando viu, pela primeira vez, Nossa Senhora na Cova da Iria, juntamente com os primos Jacinta e Francisco Marto. 
 Lúcia foi a única dos três primos que falava com a Virgem Nossa Senhora,sua prima Jacinta ouvia mas não falava e Francisco nem sequer ouvia as palavras de Nossa Senhora, e como tal era a portadora do Segredo de Fátima. Nos primeiros tempos, a hierarquia católica revelou-se céptica sobre as afirmações dos Três Pastorinhos e foi só a 13 de Outubro de 1930 que o bispo de Leiria tornou público, oficialmente, que as aparições eram dignas de crédito. A partir daí, o Santuário de Fátima ganhou uma expressão internacional, enquanto que a irmã Lúcia viveu cada vez mais isolada.

Em 17 de Junho de 1921, o bispo de Leiria proporcionou a sua entrada no colégio das irmãs doroteias em Vilar, Porto, alegadamente para a proteger dos peregrinos e curiosos que acorriam cada vez mais à Cova da Iria e pretendiam falar com ela. Professou como doroteia em 1928, em Tui, Espanha, onde viveu alguns anos. Em 1946 regressou a Portugal e, dois anos depois, entrou para o Carmelo de Santa Teresa em Coimbra, onde professou como carmelita em 1949. Foi neste convento que escreveu dois volumes com as suas Memórias e os Apelos da Mensagem de Fátima. Em 1991, quando o Papa João Paulo II visitou Fátima, convidou a irmã Lúcia a deslocar-se ali e esteve reunido com ela doze minutos. Antes, já se tinha encontrado também em Fátima com o Papa Paulo VI.

Lúcia morreu no dia 13 de Fevereiro de 2005,aos 98 anos, no Convento Carmelita de Santa Teresa em Coimbra. O seu corpo foi transladado de Coimbra para o santuário de Fátima em 19 de Fevereiro de 2006.
 Em 2007 foi inaugurado em Coimbra um museu sobre a vidente de Fátima, o museu apresenta um espólio que remete até ao tempo das "aparições de Fátima".




PUBLICADO digitalblueradio às 20:43 | LINK DO POST
 Lúcia de Jesus dos Santos nasceu em Aljustrel, Fátima, Ourém, a 28 de Março de 1907 e faleceu em Coimbra a 13 de Fevereiro de 2005, conhecida no Carmelo como Irmã Lúcia do Coração Imaculado, Ordem das Carmelitas Descalças, e reverenciada por alguns católicos portugueses simplesmente como a Irmã Lúcia, foi, juntamente com Jacinta e Francisco Marto (os chamados «três pastorinhos»), uma das três crianças que viram Nossa Senhora na Cova da Iria, Fátima, durante o ano de 1917
 Lúcia nasceu no lugar de Aljustrel, próximo de Fátima, filha de António dos Santos e de Maria Rosa, tinha mais seis irmãos ela era a mais nova de sete: Maria dos Anjos, Teresa de Jesus Rosa dos Santos, Manuel Rosa dos Santos, Glória de Jesus Rosa dos Santos, Carolina de Jesus Rosa dos Santos e Maria Rosa. Tinha dez anos quando viu, pela primeira vez, Nossa Senhora na Cova da Iria, juntamente com os primos Jacinta e Francisco Marto. 
 Lúcia foi a única dos três primos que falava com a Virgem Nossa Senhora,sua prima Jacinta ouvia mas não falava e Francisco nem sequer ouvia as palavras de Nossa Senhora, e como tal era a portadora do Segredo de Fátima. Nos primeiros tempos, a hierarquia católica revelou-se céptica sobre as afirmações dos Três Pastorinhos e foi só a 13 de Outubro de 1930 que o bispo de Leiria tornou público, oficialmente, que as aparições eram dignas de crédito. A partir daí, o Santuário de Fátima ganhou uma expressão internacional, enquanto que a irmã Lúcia viveu cada vez mais isolada.

Em 17 de Junho de 1921, o bispo de Leiria proporcionou a sua entrada no colégio das irmãs doroteias em Vilar, Porto, alegadamente para a proteger dos peregrinos e curiosos que acorriam cada vez mais à Cova da Iria e pretendiam falar com ela. Professou como doroteia em 1928, em Tui, Espanha, onde viveu alguns anos. Em 1946 regressou a Portugal e, dois anos depois, entrou para o Carmelo de Santa Teresa em Coimbra, onde professou como carmelita em 1949. Foi neste convento que escreveu dois volumes com as suas Memórias e os Apelos da Mensagem de Fátima. Em 1991, quando o Papa João Paulo II visitou Fátima, convidou a irmã Lúcia a deslocar-se ali e esteve reunido com ela doze minutos. Antes, já se tinha encontrado também em Fátima com o Papa Paulo VI.

Lúcia morreu no dia 13 de Fevereiro de 2005,aos 98 anos, no Convento Carmelita de Santa Teresa em Coimbra. O seu corpo foi transladado de Coimbra para o santuário de Fátima em 19 de Fevereiro de 2006.
 Em 2007 foi inaugurado em Coimbra um museu sobre a vidente de Fátima, o museu apresenta um espólio que remete até ao tempo das "aparições de Fátima".




PUBLICADO digitalblueradio às 20:43 | LINK DO POST
 Lúcia de Jesus dos Santos nasceu em Aljustrel, Fátima, Ourém, a 28 de Março de 1907 e faleceu em Coimbra a 13 de Fevereiro de 2005, conhecida no Carmelo como Irmã Lúcia do Coração Imaculado, Ordem das Carmelitas Descalças, e reverenciada por alguns católicos portugueses simplesmente como a Irmã Lúcia, foi, juntamente com Jacinta e Francisco Marto (os chamados «três pastorinhos»), uma das três crianças que viram Nossa Senhora na Cova da Iria, Fátima, durante o ano de 1917
 Lúcia nasceu no lugar de Aljustrel, próximo de Fátima, filha de António dos Santos e de Maria Rosa, tinha mais seis irmãos ela era a mais nova de sete: Maria dos Anjos, Teresa de Jesus Rosa dos Santos, Manuel Rosa dos Santos, Glória de Jesus Rosa dos Santos, Carolina de Jesus Rosa dos Santos e Maria Rosa. Tinha dez anos quando viu, pela primeira vez, Nossa Senhora na Cova da Iria, juntamente com os primos Jacinta e Francisco Marto. 
 Lúcia foi a única dos três primos que falava com a Virgem Nossa Senhora,sua prima Jacinta ouvia mas não falava e Francisco nem sequer ouvia as palavras de Nossa Senhora, e como tal era a portadora do Segredo de Fátima. Nos primeiros tempos, a hierarquia católica revelou-se céptica sobre as afirmações dos Três Pastorinhos e foi só a 13 de Outubro de 1930 que o bispo de Leiria tornou público, oficialmente, que as aparições eram dignas de crédito. A partir daí, o Santuário de Fátima ganhou uma expressão internacional, enquanto que a irmã Lúcia viveu cada vez mais isolada.

Em 17 de Junho de 1921, o bispo de Leiria proporcionou a sua entrada no colégio das irmãs doroteias em Vilar, Porto, alegadamente para a proteger dos peregrinos e curiosos que acorriam cada vez mais à Cova da Iria e pretendiam falar com ela. Professou como doroteia em 1928, em Tui, Espanha, onde viveu alguns anos. Em 1946 regressou a Portugal e, dois anos depois, entrou para o Carmelo de Santa Teresa em Coimbra, onde professou como carmelita em 1949. Foi neste convento que escreveu dois volumes com as suas Memórias e os Apelos da Mensagem de Fátima. Em 1991, quando o Papa João Paulo II visitou Fátima, convidou a irmã Lúcia a deslocar-se ali e esteve reunido com ela doze minutos. Antes, já se tinha encontrado também em Fátima com o Papa Paulo VI.

Lúcia morreu no dia 13 de Fevereiro de 2005,aos 98 anos, no Convento Carmelita de Santa Teresa em Coimbra. O seu corpo foi transladado de Coimbra para o santuário de Fátima em 19 de Fevereiro de 2006.
 Em 2007 foi inaugurado em Coimbra um museu sobre a vidente de Fátima, o museu apresenta um espólio que remete até ao tempo das "aparições de Fátima".




PUBLICADO digitalblueradio às 20:43 | LINK DO POST
 Humberto da Silva Delgado nasceu em Torres Novas a 15 de Maio de 1906 e morreu em Villanueva del Fresno a 13 de Fevereiro de 1965. Humberto Delgado foi um militar português da Força Aérea que corporizou o principal movimento de tentativa de derrube da ditadura salazarista através de eleições, tendo contudo sido derrotado nas urnas, num processo eleitoral fraudulento que deu a vitória ao candidato do regime ditatorial, Américo Tomás.
 Frequentou o Colégio Militar, cujo curso concluiu em 1922, três anos mais tarde entrou na Escola Prática de Artilharia, de Vendas Novas. Participou no movimento militar de 28 de Maio de 1926, que derrubou a República Parlamentar e implantou a Ditadura Militar que, poucos anos mais tarde, em 1933, iria dar lugar ao Estado Novo liderado por Salazar. Durante muitos anos apoiou as posições oficiais do regime salazarista, foi ele que representou Portugal nos acordos secretos com o Governo Inglês sobre a instalação das Bases Aliadas nos Açores durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1944 foi nomeado director do Secretariado da Aeronáutica Civil. Entre 1947 e 1950 representou Portugal na Organização da Aviação Civil Internacional, sediada em Montreal, Canadá. Foi procurador à Câmara Corporativa entre 1951 e 1952 e nomeado adido militar na Embaixada de Portugal em Washington e ainda membro do comité dos Representantes Militares da NATO. Promovido a general na sequência da realização do curso de altos comandos, onde obteve a classificação máxima, passa a Chefe da Missão Militar junto da NATO e nomeado Director-Geral da Aeronáutica Militar.
Os cinco anos que viveu nos Estados Unidos da América modificam a sua forma de encarar a política portuguesa. Convidado por opositores ao regime de Salazar para se candidatar à Presidência da República, em 1958, contra o candidato do regime, Américo Tomás, aceita, reunindo em torno de si toda a oposição ao Estado Novo. Numa conferência de imprensa da campanha eleitoral, realizada a 10 de Maio de 1958 no café Chave de Ouro, em Lisboa, quando lhe foi perguntado por um jornalista que postura tomaria em relação ao Presidente do Conselho Oliveira Salazar, respondeu com a frase "Obviamente, demito-o!". Esta frase incendiou os espíritos das pessoas oprimidas pelo regime salazarista que o apoiaram e o aclamaram durante a campanha com particular destaque para a entusiástica recepção popular na Praça Carlos Alberto no Porto a 14 de Maio de 1958. Devido à coragem que manifestou ao longo da campanha perante a repressão policial foi cognominado «General sem Medo». O resultado eleitoral não lhe foi favorável graças à gigantesca fraude eleitoral montada pelo regime.   
 Em 1959, na sequência da derrota eleitoral, vítima de represálias por parte do regime salazarista e alvo de ameaças por parte da polícia política, pede asilo político na Embaixada do Brasil, seguindo depois para o exílio. Convencido de que o regime não poderia ser derrubado por meios pacíficos promove a realização de um golpe de estado militar, que vem a ser concretizado em 1962 e que visava tomar o quartel de Beja e outras posições estratégicas importantes de Portugal. O golpe, porém, fracassou. Pensando vir reunir-se com opositores ao regime do Estado Novo, Humberto Delgado dirigiu-se à fronteira espanhola em Villanueva del Fresno, a 13 de Fevereiro de 1965. Ao seu encontro vai um grupo de agentes da PIDE, liderados por Rosa Casaco, que o assassina bem como à sua secretária, Arajaryr Campos. Em 1990 foi nomeado, a título póstumo, Marechal da Força Aérea. O seu corpo está no Panteão Nacional.

PUBLICADO digitalblueradio às 19:44 | LINK DO POST
 Humberto da Silva Delgado nasceu em Torres Novas a 15 de Maio de 1906 e morreu em Villanueva del Fresno a 13 de Fevereiro de 1965. Humberto Delgado foi um militar português da Força Aérea que corporizou o principal movimento de tentativa de derrube da ditadura salazarista através de eleições, tendo contudo sido derrotado nas urnas, num processo eleitoral fraudulento que deu a vitória ao candidato do regime ditatorial, Américo Tomás.
 Frequentou o Colégio Militar, cujo curso concluiu em 1922, três anos mais tarde entrou na Escola Prática de Artilharia, de Vendas Novas. Participou no movimento militar de 28 de Maio de 1926, que derrubou a República Parlamentar e implantou a Ditadura Militar que, poucos anos mais tarde, em 1933, iria dar lugar ao Estado Novo liderado por Salazar. Durante muitos anos apoiou as posições oficiais do regime salazarista, foi ele que representou Portugal nos acordos secretos com o Governo Inglês sobre a instalação das Bases Aliadas nos Açores durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1944 foi nomeado director do Secretariado da Aeronáutica Civil. Entre 1947 e 1950 representou Portugal na Organização da Aviação Civil Internacional, sediada em Montreal, Canadá. Foi procurador à Câmara Corporativa entre 1951 e 1952 e nomeado adido militar na Embaixada de Portugal em Washington e ainda membro do comité dos Representantes Militares da NATO. Promovido a general na sequência da realização do curso de altos comandos, onde obteve a classificação máxima, passa a Chefe da Missão Militar junto da NATO e nomeado Director-Geral da Aeronáutica Militar.
Os cinco anos que viveu nos Estados Unidos da América modificam a sua forma de encarar a política portuguesa. Convidado por opositores ao regime de Salazar para se candidatar à Presidência da República, em 1958, contra o candidato do regime, Américo Tomás, aceita, reunindo em torno de si toda a oposição ao Estado Novo. Numa conferência de imprensa da campanha eleitoral, realizada a 10 de Maio de 1958 no café Chave de Ouro, em Lisboa, quando lhe foi perguntado por um jornalista que postura tomaria em relação ao Presidente do Conselho Oliveira Salazar, respondeu com a frase "Obviamente, demito-o!". Esta frase incendiou os espíritos das pessoas oprimidas pelo regime salazarista que o apoiaram e o aclamaram durante a campanha com particular destaque para a entusiástica recepção popular na Praça Carlos Alberto no Porto a 14 de Maio de 1958. Devido à coragem que manifestou ao longo da campanha perante a repressão policial foi cognominado «General sem Medo». O resultado eleitoral não lhe foi favorável graças à gigantesca fraude eleitoral montada pelo regime.   
 Em 1959, na sequência da derrota eleitoral, vítima de represálias por parte do regime salazarista e alvo de ameaças por parte da polícia política, pede asilo político na Embaixada do Brasil, seguindo depois para o exílio. Convencido de que o regime não poderia ser derrubado por meios pacíficos promove a realização de um golpe de estado militar, que vem a ser concretizado em 1962 e que visava tomar o quartel de Beja e outras posições estratégicas importantes de Portugal. O golpe, porém, fracassou. Pensando vir reunir-se com opositores ao regime do Estado Novo, Humberto Delgado dirigiu-se à fronteira espanhola em Villanueva del Fresno, a 13 de Fevereiro de 1965. Ao seu encontro vai um grupo de agentes da PIDE, liderados por Rosa Casaco, que o assassina bem como à sua secretária, Arajaryr Campos. Em 1990 foi nomeado, a título póstumo, Marechal da Força Aérea. O seu corpo está no Panteão Nacional.

PUBLICADO digitalblueradio às 19:44 | LINK DO POST
 Humberto da Silva Delgado nasceu em Torres Novas a 15 de Maio de 1906 e morreu em Villanueva del Fresno a 13 de Fevereiro de 1965. Humberto Delgado foi um militar português da Força Aérea que corporizou o principal movimento de tentativa de derrube da ditadura salazarista através de eleições, tendo contudo sido derrotado nas urnas, num processo eleitoral fraudulento que deu a vitória ao candidato do regime ditatorial, Américo Tomás.
 Frequentou o Colégio Militar, cujo curso concluiu em 1922, três anos mais tarde entrou na Escola Prática de Artilharia, de Vendas Novas. Participou no movimento militar de 28 de Maio de 1926, que derrubou a República Parlamentar e implantou a Ditadura Militar que, poucos anos mais tarde, em 1933, iria dar lugar ao Estado Novo liderado por Salazar. Durante muitos anos apoiou as posições oficiais do regime salazarista, foi ele que representou Portugal nos acordos secretos com o Governo Inglês sobre a instalação das Bases Aliadas nos Açores durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1944 foi nomeado director do Secretariado da Aeronáutica Civil. Entre 1947 e 1950 representou Portugal na Organização da Aviação Civil Internacional, sediada em Montreal, Canadá. Foi procurador à Câmara Corporativa entre 1951 e 1952 e nomeado adido militar na Embaixada de Portugal em Washington e ainda membro do comité dos Representantes Militares da NATO. Promovido a general na sequência da realização do curso de altos comandos, onde obteve a classificação máxima, passa a Chefe da Missão Militar junto da NATO e nomeado Director-Geral da Aeronáutica Militar.
Os cinco anos que viveu nos Estados Unidos da América modificam a sua forma de encarar a política portuguesa. Convidado por opositores ao regime de Salazar para se candidatar à Presidência da República, em 1958, contra o candidato do regime, Américo Tomás, aceita, reunindo em torno de si toda a oposição ao Estado Novo. Numa conferência de imprensa da campanha eleitoral, realizada a 10 de Maio de 1958 no café Chave de Ouro, em Lisboa, quando lhe foi perguntado por um jornalista que postura tomaria em relação ao Presidente do Conselho Oliveira Salazar, respondeu com a frase "Obviamente, demito-o!". Esta frase incendiou os espíritos das pessoas oprimidas pelo regime salazarista que o apoiaram e o aclamaram durante a campanha com particular destaque para a entusiástica recepção popular na Praça Carlos Alberto no Porto a 14 de Maio de 1958. Devido à coragem que manifestou ao longo da campanha perante a repressão policial foi cognominado «General sem Medo». O resultado eleitoral não lhe foi favorável graças à gigantesca fraude eleitoral montada pelo regime.   
 Em 1959, na sequência da derrota eleitoral, vítima de represálias por parte do regime salazarista e alvo de ameaças por parte da polícia política, pede asilo político na Embaixada do Brasil, seguindo depois para o exílio. Convencido de que o regime não poderia ser derrubado por meios pacíficos promove a realização de um golpe de estado militar, que vem a ser concretizado em 1962 e que visava tomar o quartel de Beja e outras posições estratégicas importantes de Portugal. O golpe, porém, fracassou. Pensando vir reunir-se com opositores ao regime do Estado Novo, Humberto Delgado dirigiu-se à fronteira espanhola em Villanueva del Fresno, a 13 de Fevereiro de 1965. Ao seu encontro vai um grupo de agentes da PIDE, liderados por Rosa Casaco, que o assassina bem como à sua secretária, Arajaryr Campos. Em 1990 foi nomeado, a título póstumo, Marechal da Força Aérea. O seu corpo está no Panteão Nacional.

PUBLICADO digitalblueradio às 19:44 | LINK DO POST
tags:
 Ray Wilson - Por vezes o amor não é suficiente
Porcupine Tree - Arriving Somewhere But Not Here
"Se eu pudesse parar o tempo,...
Pararia aquele instante em que uma criança 
brinca e sorri de contente,...
Pararia o tempo a cada instante de um sorriso...
naquele abraço...no beijo trocado e tão ansiado...
Se eu pudesse parar o tempo,...
pararia naquele momento em que os olhos brilham de felicidade! Pararia o tempo nos instantes em que fiz amor de verdade, em que senti o seu corpo junto ao meu extenuado... 
nas mãos percorrendo o desejo...no corpo suado...pararia nisso tudo pra não parar na saudade... 
Pararia na coragem pra espantar o medo...
na alegria pra afuguentar a tristeza...
pararia no sonho e no romance escondido...
nos sussurros da noite abafando o gemido...
pararia a saudade para não ter de olhar apenas o horizonte perdido..." 
 RPWL - Crazy Lane
Marillion- Beautiful
Scorpions - Wind Of Change
 "A memória é o único paraíso do qual não podemos ser expulsos."
U2 - Pride (In the Name of Love)
Peter Gabriel - Biko
PUBLICADO digitalblueradio às 17:17 | LINK DO POST
tags:
 Ray Wilson - Por vezes o amor não é suficiente
Porcupine Tree - Arriving Somewhere But Not Here
"Se eu pudesse parar o tempo,...
Pararia aquele instante em que uma criança 
brinca e sorri de contente,...
Pararia o tempo a cada instante de um sorriso...
naquele abraço...no beijo trocado e tão ansiado...
Se eu pudesse parar o tempo,...
pararia naquele momento em que os olhos brilham de felicidade! Pararia o tempo nos instantes em que fiz amor de verdade, em que senti o seu corpo junto ao meu extenuado... 
nas mãos percorrendo o desejo...no corpo suado...pararia nisso tudo pra não parar na saudade... 
Pararia na coragem pra espantar o medo...
na alegria pra afuguentar a tristeza...
pararia no sonho e no romance escondido...
nos sussurros da noite abafando o gemido...
pararia a saudade para não ter de olhar apenas o horizonte perdido..." 
 RPWL - Crazy Lane
Marillion- Beautiful
Scorpions - Wind Of Change
 "A memória é o único paraíso do qual não podemos ser expulsos."
U2 - Pride (In the Name of Love)
Peter Gabriel - Biko
PUBLICADO digitalblueradio às 17:17 | LINK DO POST
tags:
 Ray Wilson - Por vezes o amor não é suficiente
Porcupine Tree - Arriving Somewhere But Not Here
"Se eu pudesse parar o tempo,...
Pararia aquele instante em que uma criança 
brinca e sorri de contente,...
Pararia o tempo a cada instante de um sorriso...
naquele abraço...no beijo trocado e tão ansiado...
Se eu pudesse parar o tempo,...
pararia naquele momento em que os olhos brilham de felicidade! Pararia o tempo nos instantes em que fiz amor de verdade, em que senti o seu corpo junto ao meu extenuado... 
nas mãos percorrendo o desejo...no corpo suado...pararia nisso tudo pra não parar na saudade... 
Pararia na coragem pra espantar o medo...
na alegria pra afuguentar a tristeza...
pararia no sonho e no romance escondido...
nos sussurros da noite abafando o gemido...
pararia a saudade para não ter de olhar apenas o horizonte perdido..." 
 RPWL - Crazy Lane
Marillion- Beautiful
Scorpions - Wind Of Change
 "A memória é o único paraíso do qual não podemos ser expulsos."
U2 - Pride (In the Name of Love)
Peter Gabriel - Biko
PUBLICADO digitalblueradio às 17:17 | LINK DO POST
tags:
QUEM SOU EU
PESQUISAR NO BLOG
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
COMENTÁRIOS
31994042009
Perfeito. Me sinto da mesma forma. Parece que desc...
acho que deve ser respeitada... http://www.goiasc...
vc que é de maior tem face e whatsaap vem encontra...
a discografia tem um ep com o titulo errado, onde ...
Armando Gama fomos contemporâneos no Salvador Corr...
A juventude nos leva a caminhos ruins , e procuram...
A primeira fotografia é da Praça Marquês de Pombal...
Eu gosto de ti Beto adorei cd foi muito bom ele é ...
GANHA MENSALMENTE COMO PRESIDENTE DA COMISSÃO EURO...
MAIS COMENTADOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
subscrever feeds
SAPO Blogs