O MELHOR DE TODOS OS TEMPOS



Hoje deixo-vos esta história.
No fim gostaria que me deixassem a moral da mesma.
"Apanharam um ladrão em flagrante a roubar galinhas de um galinheiro e levaram-no para a esquadra.
Diz o chefe do posto: - Com que então, seu vagabundo a roubar galinhas, trabalhar que é bom nada , o teu lugar é na cadeia, meu bandido.

ladrão: - Não era para mim sr. guarda,era para vender.
policia : - Ah e confessas,...pior ainda,venda de artigos roubados, vais apanhar uns aninhos bons.Ainda por cima isso é concorrência desleal, não tens vergonha?

ladrão : - ó sr. guarda mas eu vendia ao preço de mercado,...aliás eu até espalhei o boato que as galinhas do galinheiro eram doentes e as minhas não, podiam levar á confiança.

policia : - Mas eram as mesmas galinhas, bandido, ainda bem que vais preso,se o dono do galinheiro te apanha ...

ladrão: - ó sr. guarda mas ele já me apanhou,eu fiz um acordo com ele.
Comprometi-me a não espalhar mais boatos sobre as galinhas dele e ele comprometeu-se a aumentar os preços dos produtos dele para ficarem iguais aos meus. 
Tive até a ideia de juntar outros donos de galinheiros a entrar no nosso esquema. Formavamos uma cooperativa.

policia: Ah sim, que esperteza, e o que é que fazias com o lucro do negócio?

ladrão: - Invisti alguma coisa no tráfico de drogas.
Comprei alguns deputados.Dois ou três ministros.
Consegui exclusividade no fornecimento de ovos para programas de alimentação do governo,...

O policia começou a estranhar aquela conversa,... mandou pedir um cafezinho para o preso e perguntou se a cadeira estava confortável, se ele não queria uma almofada.
Depois perguntou: - Ouve lá ó sr dr. não leves a mal, mas com tudo isso, deves estar rico ?

ladrão: - Rico, ohohoh riquissimo,....
Só que as minhas contas bancárias estão no exterior, sabe como é, paraisos fiscais,...

policia: Eh pá,..pára aí,...com tudo isso, e continuas a roubar galinhas?

ladrão: - Às vezes. Sabe como é. Saudades do passado.

policia: - Não sei não,explica lá melhor.

ladrão: - É que, em todas as minhas actividades, eu sinto falta de uma coisa.
Do risco, entende?
Daquela sensação de perigo, de estar a fazer uma coisa proibida, da iminência do castigo.
Só roubando galinhas eu me sinto realmente um ladrão,e isso é excitante.Como agora. Fui preso,finalmente.
Vou para a cadeia. É uma experiência nova.

policia: Alto lá quem é que te disse que vais preso?
Não vais nada ser preso.

ladrão: Não!!!! Mas fui apanhado em flagrante.

policia: - Sim. Mas és primário, e com esses antecedentes..."

Você acredita que nos dias de hoje ainda existe ladrão de galinhas ?
Não acredita?
Então assista.

PUBLICADO digitalblueradio às 16:27 | LINK DO POST
tags:



Hoje deixo-vos esta história.
No fim gostaria que me deixassem a moral da mesma.
"Apanharam um ladrão em flagrante a roubar galinhas de um galinheiro e levaram-no para a esquadra.
Diz o chefe do posto: - Com que então, seu vagabundo a roubar galinhas, trabalhar que é bom nada , o teu lugar é na cadeia, meu bandido.

ladrão: - Não era para mim sr. guarda,era para vender.
policia : - Ah e confessas,...pior ainda,venda de artigos roubados, vais apanhar uns aninhos bons.Ainda por cima isso é concorrência desleal, não tens vergonha?

ladrão : - ó sr. guarda mas eu vendia ao preço de mercado,...aliás eu até espalhei o boato que as galinhas do galinheiro eram doentes e as minhas não, podiam levar á confiança.

policia : - Mas eram as mesmas galinhas, bandido, ainda bem que vais preso,se o dono do galinheiro te apanha ...

ladrão: - ó sr. guarda mas ele já me apanhou,eu fiz um acordo com ele.
Comprometi-me a não espalhar mais boatos sobre as galinhas dele e ele comprometeu-se a aumentar os preços dos produtos dele para ficarem iguais aos meus. 
Tive até a ideia de juntar outros donos de galinheiros a entrar no nosso esquema. Formavamos uma cooperativa.

policia: Ah sim, que esperteza, e o que é que fazias com o lucro do negócio?

ladrão: - Invisti alguma coisa no tráfico de drogas.
Comprei alguns deputados.Dois ou três ministros.
Consegui exclusividade no fornecimento de ovos para programas de alimentação do governo,...

O policia começou a estranhar aquela conversa,... mandou pedir um cafezinho para o preso e perguntou se a cadeira estava confortável, se ele não queria uma almofada.
Depois perguntou: - Ouve lá ó sr dr. não leves a mal, mas com tudo isso, deves estar rico ?

ladrão: - Rico, ohohoh riquissimo,....
Só que as minhas contas bancárias estão no exterior, sabe como é, paraisos fiscais,...

policia: Eh pá,..pára aí,...com tudo isso, e continuas a roubar galinhas?

ladrão: - Às vezes. Sabe como é. Saudades do passado.

policia: - Não sei não,explica lá melhor.

ladrão: - É que, em todas as minhas actividades, eu sinto falta de uma coisa.
Do risco, entende?
Daquela sensação de perigo, de estar a fazer uma coisa proibida, da iminência do castigo.
Só roubando galinhas eu me sinto realmente um ladrão,e isso é excitante.Como agora. Fui preso,finalmente.
Vou para a cadeia. É uma experiência nova.

policia: Alto lá quem é que te disse que vais preso?
Não vais nada ser preso.

ladrão: Não!!!! Mas fui apanhado em flagrante.

policia: - Sim. Mas és primário, e com esses antecedentes..."

Você acredita que nos dias de hoje ainda existe ladrão de galinhas ?
Não acredita?
Então assista.

PUBLICADO digitalblueradio às 16:27 | LINK DO POST
tags:



Hoje deixo-vos esta história.
No fim gostaria que me deixassem a moral da mesma.
"Apanharam um ladrão em flagrante a roubar galinhas de um galinheiro e levaram-no para a esquadra.
Diz o chefe do posto: - Com que então, seu vagabundo a roubar galinhas, trabalhar que é bom nada , o teu lugar é na cadeia, meu bandido.

ladrão: - Não era para mim sr. guarda,era para vender.
policia : - Ah e confessas,...pior ainda,venda de artigos roubados, vais apanhar uns aninhos bons.Ainda por cima isso é concorrência desleal, não tens vergonha?

ladrão : - ó sr. guarda mas eu vendia ao preço de mercado,...aliás eu até espalhei o boato que as galinhas do galinheiro eram doentes e as minhas não, podiam levar á confiança.

policia : - Mas eram as mesmas galinhas, bandido, ainda bem que vais preso,se o dono do galinheiro te apanha ...

ladrão: - ó sr. guarda mas ele já me apanhou,eu fiz um acordo com ele.
Comprometi-me a não espalhar mais boatos sobre as galinhas dele e ele comprometeu-se a aumentar os preços dos produtos dele para ficarem iguais aos meus. 
Tive até a ideia de juntar outros donos de galinheiros a entrar no nosso esquema. Formavamos uma cooperativa.

policia: Ah sim, que esperteza, e o que é que fazias com o lucro do negócio?

ladrão: - Invisti alguma coisa no tráfico de drogas.
Comprei alguns deputados.Dois ou três ministros.
Consegui exclusividade no fornecimento de ovos para programas de alimentação do governo,...

O policia começou a estranhar aquela conversa,... mandou pedir um cafezinho para o preso e perguntou se a cadeira estava confortável, se ele não queria uma almofada.
Depois perguntou: - Ouve lá ó sr dr. não leves a mal, mas com tudo isso, deves estar rico ?

ladrão: - Rico, ohohoh riquissimo,....
Só que as minhas contas bancárias estão no exterior, sabe como é, paraisos fiscais,...

policia: Eh pá,..pára aí,...com tudo isso, e continuas a roubar galinhas?

ladrão: - Às vezes. Sabe como é. Saudades do passado.

policia: - Não sei não,explica lá melhor.

ladrão: - É que, em todas as minhas actividades, eu sinto falta de uma coisa.
Do risco, entende?
Daquela sensação de perigo, de estar a fazer uma coisa proibida, da iminência do castigo.
Só roubando galinhas eu me sinto realmente um ladrão,e isso é excitante.Como agora. Fui preso,finalmente.
Vou para a cadeia. É uma experiência nova.

policia: Alto lá quem é que te disse que vais preso?
Não vais nada ser preso.

ladrão: Não!!!! Mas fui apanhado em flagrante.

policia: - Sim. Mas és primário, e com esses antecedentes..."

Você acredita que nos dias de hoje ainda existe ladrão de galinhas ?
Não acredita?
Então assista.

PUBLICADO digitalblueradio às 16:27 | LINK DO POST
tags:
Antónia de Jesus Montes Tonicha Viegas, nome artístico Tonicha, nasceu em Beja a 8 de Março de 1946. Terceira de quatro irmãos, cedo mostrou vocação para cantar. Primeiro, na escola e mais tarde na adolescência, nas festas da "Capricho"- Sociedade Filarmónica Capricho Bejense. Aos 16 anos, foi para o Barreiro para casa do seu tio-avô, então Chefe da Estação dos Caminhos de Ferro do Barreiro. Tanto ele, como todos os seus filhos, tinham grande paixão pela música. A família do lado do pai estava ligada à música como amadores.
Com a irreverência da sua juventude apresentou-se, ainda com 16 anos, a concurso na Emissora Nacional, em cujos "quadros" só veio a entrar aos 18 anos. As primeiras gravações de Tonicha são anteriores a 1965. O primeiro disco que a cantora grava, um EP chamado "Canções de Natal" que reúne vários nomes da canção. A primeira gravação a solo de Tonicha, que é editada com o nome de Antónia Tonicha, data de 1964, num EP chamado "Luar para esta Noite".
Em 1966 obtém o primeiro prémio no Festival da Canção da Figueira da Foz com "Boca de Amora" e participa no filme "Sarilho de Fraldas", de Constantino Esteves, com Nicolau Breyner, António Calvário e Madalena Iglésias. Com "A Tua Canção Avózinha" vence o 7º Festival da Canção da Figueira da Foz. No ano de 1967 recebeu o Microfone de Ouro do Rádio Clube Português e foi eleita "Mulher Portuguesa do Ano", pelo Clube das Donas de Casa. 
Fica em 2.º no Festival RTP da Canção de 1968 com "Fui Ter Com a Madrugada". A ideia de Tonicha gravar folclore português partiu do seu marido, o etnólogo João Viegas. Ao "Vira dos Malmequeres", canção recolhida na zona de Santarém, seguiu-se "Resineiro" um tema gravado por indicação de José Afonso que o tinha gravado anteriormente.
"Menina do Alto da Serra" interpretado por Tonicha vence o Festival RTP da Canção de 1971. 

Em 1972 participa no disco "Fala do Homem Nascido", uma opereta gravada para disco, com poemas de António Gedeão. Os cantores são Duarte Mendes, Carlos Mendes, Samuel e Tonicha.
É editado o single "Portugal Ressuscitado/Canção Combate" dos InClave com Tonicha e Fernando Tordo. Em 1974 participa na revista "Uma no Cravo, outra na Ditadura". O álbum "Cantigas Populares" é editado em 1976. Mais tarde grava discos como o "O Menino", "Marcha da Mouraria" e "Tu És o Zé Que Fumas/Cana Verde"
Participa no Festival RTP da Canção de 1978 com os temas "Canção da Amizade", "Pela Vida Fora", "Um Dia, Uma Flor" e "Quem Te Quer Bem, Meu Bem". Ainda em 1978 é editado o single "Zumba Na Caneca", um dos seus maiores sucessos populares.

Em 1979 grava um single com os temas "O Gaiteiro Português" e "Sericotalho, Bacalhau, Azeite e Alho"
Logo a seguir é editado "O Chico Pinguinhas". Grava o álbum "Ela por Ela", em 1980. O disco "Foliada Portuguesa" é lançado em 1983. Inclui temas como "Todos Me Querem" e "O Mar Enrola Na Areia". Em 1985 participa no disco "Abraço a Moçambique" e grava o single "Esta Festa Portuguesa". O single "Fátima, Altar do Mundo" é lançado em 1987. 
Está afastada alguns anos dos palcos e da ribalta. Regressa em 1993 com "Regresso". Em 1995 grava temas do cancioneiro "Canções d' Aquém e d'Além-Tejo". O álbum "Mulher" é editado em 1997. Em 2010 Aceita um novo desafio, estreia-se como actiz. 
PUBLICADO digitalblueradio às 13:05 | LINK DO POST
Antónia de Jesus Montes Tonicha Viegas, nome artístico Tonicha, nasceu em Beja a 8 de Março de 1946. Terceira de quatro irmãos, cedo mostrou vocação para cantar. Primeiro, na escola e mais tarde na adolescência, nas festas da "Capricho"- Sociedade Filarmónica Capricho Bejense. Aos 16 anos, foi para o Barreiro para casa do seu tio-avô, então Chefe da Estação dos Caminhos de Ferro do Barreiro. Tanto ele, como todos os seus filhos, tinham grande paixão pela música. A família do lado do pai estava ligada à música como amadores.
Com a irreverência da sua juventude apresentou-se, ainda com 16 anos, a concurso na Emissora Nacional, em cujos "quadros" só veio a entrar aos 18 anos. As primeiras gravações de Tonicha são anteriores a 1965. O primeiro disco que a cantora grava, um EP chamado "Canções de Natal" que reúne vários nomes da canção. A primeira gravação a solo de Tonicha, que é editada com o nome de Antónia Tonicha, data de 1964, num EP chamado "Luar para esta Noite".
Em 1966 obtém o primeiro prémio no Festival da Canção da Figueira da Foz com "Boca de Amora" e participa no filme "Sarilho de Fraldas", de Constantino Esteves, com Nicolau Breyner, António Calvário e Madalena Iglésias. Com "A Tua Canção Avózinha" vence o 7º Festival da Canção da Figueira da Foz. No ano de 1967 recebeu o Microfone de Ouro do Rádio Clube Português e foi eleita "Mulher Portuguesa do Ano", pelo Clube das Donas de Casa. 
Fica em 2.º no Festival RTP da Canção de 1968 com "Fui Ter Com a Madrugada". A ideia de Tonicha gravar folclore português partiu do seu marido, o etnólogo João Viegas. Ao "Vira dos Malmequeres", canção recolhida na zona de Santarém, seguiu-se "Resineiro" um tema gravado por indicação de José Afonso que o tinha gravado anteriormente.
"Menina do Alto da Serra" interpretado por Tonicha vence o Festival RTP da Canção de 1971. 

Em 1972 participa no disco "Fala do Homem Nascido", uma opereta gravada para disco, com poemas de António Gedeão. Os cantores são Duarte Mendes, Carlos Mendes, Samuel e Tonicha.
É editado o single "Portugal Ressuscitado/Canção Combate" dos InClave com Tonicha e Fernando Tordo. Em 1974 participa na revista "Uma no Cravo, outra na Ditadura". O álbum "Cantigas Populares" é editado em 1976. Mais tarde grava discos como o "O Menino", "Marcha da Mouraria" e "Tu És o Zé Que Fumas/Cana Verde"
Participa no Festival RTP da Canção de 1978 com os temas "Canção da Amizade", "Pela Vida Fora", "Um Dia, Uma Flor" e "Quem Te Quer Bem, Meu Bem". Ainda em 1978 é editado o single "Zumba Na Caneca", um dos seus maiores sucessos populares.

Em 1979 grava um single com os temas "O Gaiteiro Português" e "Sericotalho, Bacalhau, Azeite e Alho"
Logo a seguir é editado "O Chico Pinguinhas". Grava o álbum "Ela por Ela", em 1980. O disco "Foliada Portuguesa" é lançado em 1983. Inclui temas como "Todos Me Querem" e "O Mar Enrola Na Areia". Em 1985 participa no disco "Abraço a Moçambique" e grava o single "Esta Festa Portuguesa". O single "Fátima, Altar do Mundo" é lançado em 1987. 
Está afastada alguns anos dos palcos e da ribalta. Regressa em 1993 com "Regresso". Em 1995 grava temas do cancioneiro "Canções d' Aquém e d'Além-Tejo". O álbum "Mulher" é editado em 1997. Em 2010 Aceita um novo desafio, estreia-se como actiz. 
PUBLICADO digitalblueradio às 13:05 | LINK DO POST
Antónia de Jesus Montes Tonicha Viegas, nome artístico Tonicha, nasceu em Beja a 8 de Março de 1946. Terceira de quatro irmãos, cedo mostrou vocação para cantar. Primeiro, na escola e mais tarde na adolescência, nas festas da "Capricho"- Sociedade Filarmónica Capricho Bejense. Aos 16 anos, foi para o Barreiro para casa do seu tio-avô, então Chefe da Estação dos Caminhos de Ferro do Barreiro. Tanto ele, como todos os seus filhos, tinham grande paixão pela música. A família do lado do pai estava ligada à música como amadores.
Com a irreverência da sua juventude apresentou-se, ainda com 16 anos, a concurso na Emissora Nacional, em cujos "quadros" só veio a entrar aos 18 anos. As primeiras gravações de Tonicha são anteriores a 1965. O primeiro disco que a cantora grava, um EP chamado "Canções de Natal" que reúne vários nomes da canção. A primeira gravação a solo de Tonicha, que é editada com o nome de Antónia Tonicha, data de 1964, num EP chamado "Luar para esta Noite".
Em 1966 obtém o primeiro prémio no Festival da Canção da Figueira da Foz com "Boca de Amora" e participa no filme "Sarilho de Fraldas", de Constantino Esteves, com Nicolau Breyner, António Calvário e Madalena Iglésias. Com "A Tua Canção Avózinha" vence o 7º Festival da Canção da Figueira da Foz. No ano de 1967 recebeu o Microfone de Ouro do Rádio Clube Português e foi eleita "Mulher Portuguesa do Ano", pelo Clube das Donas de Casa. 
Fica em 2.º no Festival RTP da Canção de 1968 com "Fui Ter Com a Madrugada". A ideia de Tonicha gravar folclore português partiu do seu marido, o etnólogo João Viegas. Ao "Vira dos Malmequeres", canção recolhida na zona de Santarém, seguiu-se "Resineiro" um tema gravado por indicação de José Afonso que o tinha gravado anteriormente.
"Menina do Alto da Serra" interpretado por Tonicha vence o Festival RTP da Canção de 1971. 

Em 1972 participa no disco "Fala do Homem Nascido", uma opereta gravada para disco, com poemas de António Gedeão. Os cantores são Duarte Mendes, Carlos Mendes, Samuel e Tonicha.
É editado o single "Portugal Ressuscitado/Canção Combate" dos InClave com Tonicha e Fernando Tordo. Em 1974 participa na revista "Uma no Cravo, outra na Ditadura". O álbum "Cantigas Populares" é editado em 1976. Mais tarde grava discos como o "O Menino", "Marcha da Mouraria" e "Tu És o Zé Que Fumas/Cana Verde"
Participa no Festival RTP da Canção de 1978 com os temas "Canção da Amizade", "Pela Vida Fora", "Um Dia, Uma Flor" e "Quem Te Quer Bem, Meu Bem". Ainda em 1978 é editado o single "Zumba Na Caneca", um dos seus maiores sucessos populares.

Em 1979 grava um single com os temas "O Gaiteiro Português" e "Sericotalho, Bacalhau, Azeite e Alho"
Logo a seguir é editado "O Chico Pinguinhas". Grava o álbum "Ela por Ela", em 1980. O disco "Foliada Portuguesa" é lançado em 1983. Inclui temas como "Todos Me Querem" e "O Mar Enrola Na Areia". Em 1985 participa no disco "Abraço a Moçambique" e grava o single "Esta Festa Portuguesa". O single "Fátima, Altar do Mundo" é lançado em 1987. 
Está afastada alguns anos dos palcos e da ribalta. Regressa em 1993 com "Regresso". Em 1995 grava temas do cancioneiro "Canções d' Aquém e d'Além-Tejo". O álbum "Mulher" é editado em 1997. Em 2010 Aceita um novo desafio, estreia-se como actiz. 
PUBLICADO digitalblueradio às 13:05 | LINK DO POST
tags:
O Dia Internacional da Mulher, celebrado a 8 de Março, tem como origem as manifestações das mulheres russas por melhores condições de vida e trabalho e contra a entrada do seu país na Primeira Guerra Mundial. Essas manifestações marcaram o início da Revolução de 1917. Entretanto a ideia de celebrar um dia da mulher já havia surgido desde os primeiros anos do século XX, nos Estados Unidos e na Europa, no contexto das lutas de mulheres por melhores condições de vida e trabalho, bem como pelo direito de voto.
No Ocidente, o Dia Internacional da Mulher foi comemorado no início do século, até a década de 1920. Na antiga União Soviética, durante o stalinismo, o Dia Internacional da Mulher tornou-se elemento de propaganda partidária. Nos países ocidentais, a data foi esquecida durante muito tempo e só foi recuperada pelo movimento feminista, já na década 60. Na actualidade, a celebração do Dia Internacional da Mulher perdeu parcialmente o seu sentido original, adquirindo um carácter festivo e comercial. 

1975 foi designado pela ONU como o Ano Internacional da Mulher e, em Dezembro de 1977, o Dia Internacional da Mulher foi adoptado pelas Nações Unidas, para lembrar as conquistas sociais, políticas e económicas das mulheres. A ideia da existência de um dia internacional da mulher surge no século XX, no contexto da Segunda Revolução Industrial e da Primeira Guerra Mundial, quando ocorre a incorporação da mão-de-obra feminina, em massa, na indústria. Muitas manifestações ocorreram nos anos seguintes, em várias partes do mundo, destacando-se Nova Iorque, Berlim, Viena e São Petersburgo.

O primeiro Dia Internacional da Mulher foi celebrado a 28 de Fevereiro de 1909 nos Estados Unidos, por iniciativa do Partido Socialista da América, em memória do protesto contra as más condições de trabalho das operárias da indústria do vestuário de Nova York. Em 1910, ocorreu a primeira conferência internacional de mulheres, em Copenhaga, dirigida pela Internacional Socialista, quando foi aprovada a proposta da socialista alemã Clara Zetkin, de instituição de um dia internacional da Mulher, embora nenhuma data tivesse sido especificada. No ano seguinte, o Dia Internacional da Mulher foi celebrado a 19 de Março, por mais de um milhão de pessoas, na Áustria, Dinamarca, Alemanha e Suíça. Poucos dias depois, a 25 de Março de 1911, um incêndio na fábrica da Triangle Shirtwaist mataria 146 trabalhadores, a maioria costureiras. O número elevado de mortes foi atribuído às más condições de segurança do edifício. Este foi considerado como o pior incêndio da história de Nova Iorque, até 11 de setembro de 2001. Esse episódio é, com frequência, erroneamente considerado como a origem do Dia Internacional da Mulher.

Em 1915, Alexandra Kollontai organizou uma reunião em Christiania (atual Oslo), contra a guerra. Na Rússia, as comemorações do Dia Internacional da Mulher foram  a faúlha que falatava para o despolutar da Revolução russa de 1917. A 8 de março a greve das operárias da indústria têxtil contra a fome, contra o czar Nicolau II e contra a participação do país na Primeira Guerra Mundial precipitou os acontecimentos que resultaram na Revolução. Após a Revolução a feminista Alexandra Kollontai persuadiu Lenin para torná-lo um dia oficial que, durante o período soviético, permaneceu como celebração da "heróica mulher trabalhadora". No entanto, o feriado rapidamente perderia a vertente política e tornar-se-ia numa ocasião em que os homens manifestavam simpatia ou amor pelas mulheres - uma mistura da festa do Dia da Mãe e do Dia dos Namorados, com oferta de prendas e flores, pelos homens às mulheres. 
No Ocidente, o Dia Internacional da Mulher foi comemorado durante as décadas de 1910 e 1920. Posteriormente, a data caiu no esquecimento e só foi recuperada pelo movimento feminista, já na década de 1960, sendo adotado pelas Nações Unidas, em 1977.
 Opinião Pessoal
Este dia comemora-se anualmente, para além das comemorações a ideia ainda perdura, a mulher continua ainda hoje a ser discriminada, embora menos, mas inada ssim discriminada e vitima de violência. Espancamentos, ofensas corporais, injúrias, violações, roubos, tudo cái sobre a mulher. A violência sobre a mulher acontece na rua e no seio da familia. O desemprego, o desencanto do dia-a-dia, faz da mulher uma das grandes vitimas da sociedade actual. Mas cada vez mais a mulher está a aprender a defender-se e a não permanecer silênciosa sobre os crimes a que são sujeitas. Uma das grandes defensoras das mulheres na violência a que ainda são sujeitas é a APAV( Associação Portuguesa de Apoio á Vitima ), a esta associação continuam ainda nos dias de hoje a chegar queixas de mulheres que de uma maneira ou outra se consideram violentados nos seus direitos e procuram ajuda para fazer valer a sua posição.
 Nos dias de hoje é no seio familiar que a violência contra as mulheres ainda se faz sentir, as mulheres são maltratadas das mais diversas formas, agredidas fisicamente, moralmente e psicológicamente, muitas vezes sob o olhar dos filhos e o silêncio dos vizinhos a quem falta coragem para denunciar e testemunhar dentro do principio popular de que " Entre marido e mulher, não metas a colher ". A mulher é vitima das mais variadas formas, não só de violência doméstica, descriminação, mas também de violação, não nos seus direitos como cidadãos, que também o são, mas de violação sexual. Todos os anos são muitas as queixas de violação que chegam ao conhecimento das autoridades mas muitas outras ficam p´lo caminho devido á vergonha e ao sentimento de marginalidade que as mulheres sentem depois de uma violação.
 As violações não acontecem apenas fora de casa, acontece com muita frequência nas pessoas que mais nos são próximas ( pais, padrastos, tios, primos, amigos ) são muitas vezes estes que ganhando a confiança da familia, usam a mesma para se aproximar e violar.
Muitas têm sido as lutas ao longo dos tempos,...mas ainda falta muito para as mulheres deixem de ser vitimas. O analfabetismo, ainda atinge muitas mulheres, o retrato feliz das mulheres em casa a tomar conta dos filhos enquanto o marido parte para ganhar a vida,...já não pertence aos nossos dias, hoje a mulher desempenha também uma força fundamental para o sustento da casa e da familia, é ela que faz muitas vezes milagres para manter a harmonia familar. Embora a mulher tenha vindo a desempenhar progressivamente uma importância cada vez maior no orçamento familiar, não se tenham ilusões, a sociedade ainda não a reconhece plenamente como pessoa a quem se deve dar o direito de se realizar, mas sim porque muitas vezes a mão-de-obra feminina é mais barata e ideal para certo tipo de actividades, tal como o trabalho infantil não ser uma realidade para as crianças serem serem mais amadas, o trabalho feminino é apenas uma constatação de que a mulher em muitos casos continua a ser uma excelente galinha dos ovos de ouro.
A escolha de uma mulher para este ou aquele cargo de responsabilidade( e não quero generalizar), pode trazer quer se queira ou não uma intenção mais ou menos psicológica.
MULHER
MÃE-EDUCADORA-AMANTE
Obreira de sete oficios, a mulher merece cada vez mais o seu lugar de destaque na sociedade.
A portuguesa garante igualdade de direitos, independetemente do sexo. Porém, entre o que está estipulado no papel e a prática vai uma grande diferença. Preconceitos e discriminação perpétuam a subalternidade da mulher em relação ao homem. No nosso país, a constituição da républica diz " Ninguém pode ser priviligiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão da ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções politicas ou ideológicas, instrução, situação económica ou condição social". No entanto outros artigos poderiam ser evocados aqui, como prova cabal da existência, no nosso país, de uma legislação que contempla a salvaguarda dos direitos civicos da mulher. Mas, há sempre um mas, aquilo que está consignado na lei é uma coisa e o que acontece na prática pode ser outra, embora protegida por um conjunto de leis( e não se compreende porque são necessárias leis para fazer o que é certo ), a população feminina defronta-se ainda nos dias de hoje com preconceitos e discriminações, nos palcos de guerra são alvo das maiores atrocidades, violações, assédios, maus tratos, abusos,... quer em privado, quer em publico, as mulheres continuam a ser um alvo.
 Durante anos confinada ao papel de mãe de familia e doméstica, a mulher sempre participou em menor numero no mundo do trabalho, hoje ela tem um papel mais activo na contrução da sociedade, mas os seus salários ainda hoje são menores devido apenas ao facto de serem mulheres.
 Nestes meus pensamentos, nestas minhas palavras não esqueço que sou homem, e dia Internacional do Homem, não há. A cada santo ano, a mulher tem o seu dia, tal como a criança, a árvore, a poupança,... este dia pretende ser um grito contra a discriminação a que a mulher tem sido votada. Hoje, volvidas guerras, lutas, ultrapassados tabus sexuais, a mulher continua a viver num mundo que a amam e desprezam. Os numeros frios falam por si, fazem corar de vergonha esta sociedade que chegou a planetas distantes, que tolera a liberdade sexual, que funciona em estruturas onde a palavra democracia pretende ser o núcleo de todas as coisas. A mulher ainda vive numa selva onde o homem dita as leis, não é por acaso que o trabalho de relações publicas é dado preferencialmente a uma mulher. O homem vive obcecado pela imagem feminina, a mulher vive para ser amada e possuida no pensamento de muitos homens, no entanto muitas mulheres foram GRANDES nos bastidores" Por detrás de um grande homem, tem de haver uma grande mulher ", muitas Marias foram e são determinantes para o sucesso de um homem. 
 Muitos homens continuam ainda a achar que a mulher tem de ter um papel secundário na vida e na sociedade; 
Muitos homens continuam a crer que o mundo é do sexo forte; Muitos homens continuam a acreditar na força e não na razão; Muitos homens continuam a achar que a mulher nasceu para servir.
A mulher não é só coração, a mulher é muitas vezes a voz da razão e da consciência; 
A mulher não tem o papel secundário na vida ela tem o papel principal. 
A mulher não é o sexo fraco é o sexo forte; 

Muitos homens esquecem que um dia tiveram MÃE. 
PUBLICADO digitalblueradio às 10:56 | LINK DO POST
O Dia Internacional da Mulher, celebrado a 8 de Março, tem como origem as manifestações das mulheres russas por melhores condições de vida e trabalho e contra a entrada do seu país na Primeira Guerra Mundial. Essas manifestações marcaram o início da Revolução de 1917. Entretanto a ideia de celebrar um dia da mulher já havia surgido desde os primeiros anos do século XX, nos Estados Unidos e na Europa, no contexto das lutas de mulheres por melhores condições de vida e trabalho, bem como pelo direito de voto.
No Ocidente, o Dia Internacional da Mulher foi comemorado no início do século, até a década de 1920. Na antiga União Soviética, durante o stalinismo, o Dia Internacional da Mulher tornou-se elemento de propaganda partidária. Nos países ocidentais, a data foi esquecida durante muito tempo e só foi recuperada pelo movimento feminista, já na década 60. Na actualidade, a celebração do Dia Internacional da Mulher perdeu parcialmente o seu sentido original, adquirindo um carácter festivo e comercial. 

1975 foi designado pela ONU como o Ano Internacional da Mulher e, em Dezembro de 1977, o Dia Internacional da Mulher foi adoptado pelas Nações Unidas, para lembrar as conquistas sociais, políticas e económicas das mulheres. A ideia da existência de um dia internacional da mulher surge no século XX, no contexto da Segunda Revolução Industrial e da Primeira Guerra Mundial, quando ocorre a incorporação da mão-de-obra feminina, em massa, na indústria. Muitas manifestações ocorreram nos anos seguintes, em várias partes do mundo, destacando-se Nova Iorque, Berlim, Viena e São Petersburgo.

O primeiro Dia Internacional da Mulher foi celebrado a 28 de Fevereiro de 1909 nos Estados Unidos, por iniciativa do Partido Socialista da América, em memória do protesto contra as más condições de trabalho das operárias da indústria do vestuário de Nova York. Em 1910, ocorreu a primeira conferência internacional de mulheres, em Copenhaga, dirigida pela Internacional Socialista, quando foi aprovada a proposta da socialista alemã Clara Zetkin, de instituição de um dia internacional da Mulher, embora nenhuma data tivesse sido especificada. No ano seguinte, o Dia Internacional da Mulher foi celebrado a 19 de Março, por mais de um milhão de pessoas, na Áustria, Dinamarca, Alemanha e Suíça. Poucos dias depois, a 25 de Março de 1911, um incêndio na fábrica da Triangle Shirtwaist mataria 146 trabalhadores, a maioria costureiras. O número elevado de mortes foi atribuído às más condições de segurança do edifício. Este foi considerado como o pior incêndio da história de Nova Iorque, até 11 de setembro de 2001. Esse episódio é, com frequência, erroneamente considerado como a origem do Dia Internacional da Mulher.

Em 1915, Alexandra Kollontai organizou uma reunião em Christiania (atual Oslo), contra a guerra. Na Rússia, as comemorações do Dia Internacional da Mulher foram  a faúlha que falatava para o despolutar da Revolução russa de 1917. A 8 de março a greve das operárias da indústria têxtil contra a fome, contra o czar Nicolau II e contra a participação do país na Primeira Guerra Mundial precipitou os acontecimentos que resultaram na Revolução. Após a Revolução a feminista Alexandra Kollontai persuadiu Lenin para torná-lo um dia oficial que, durante o período soviético, permaneceu como celebração da "heróica mulher trabalhadora". No entanto, o feriado rapidamente perderia a vertente política e tornar-se-ia numa ocasião em que os homens manifestavam simpatia ou amor pelas mulheres - uma mistura da festa do Dia da Mãe e do Dia dos Namorados, com oferta de prendas e flores, pelos homens às mulheres. 
No Ocidente, o Dia Internacional da Mulher foi comemorado durante as décadas de 1910 e 1920. Posteriormente, a data caiu no esquecimento e só foi recuperada pelo movimento feminista, já na década de 1960, sendo adotado pelas Nações Unidas, em 1977.
 Opinião Pessoal
Este dia comemora-se anualmente, para além das comemorações a ideia ainda perdura, a mulher continua ainda hoje a ser discriminada, embora menos, mas inada ssim discriminada e vitima de violência. Espancamentos, ofensas corporais, injúrias, violações, roubos, tudo cái sobre a mulher. A violência sobre a mulher acontece na rua e no seio da familia. O desemprego, o desencanto do dia-a-dia, faz da mulher uma das grandes vitimas da sociedade actual. Mas cada vez mais a mulher está a aprender a defender-se e a não permanecer silênciosa sobre os crimes a que são sujeitas. Uma das grandes defensoras das mulheres na violência a que ainda são sujeitas é a APAV( Associação Portuguesa de Apoio á Vitima ), a esta associação continuam ainda nos dias de hoje a chegar queixas de mulheres que de uma maneira ou outra se consideram violentados nos seus direitos e procuram ajuda para fazer valer a sua posição.
 Nos dias de hoje é no seio familiar que a violência contra as mulheres ainda se faz sentir, as mulheres são maltratadas das mais diversas formas, agredidas fisicamente, moralmente e psicológicamente, muitas vezes sob o olhar dos filhos e o silêncio dos vizinhos a quem falta coragem para denunciar e testemunhar dentro do principio popular de que " Entre marido e mulher, não metas a colher ". A mulher é vitima das mais variadas formas, não só de violência doméstica, descriminação, mas também de violação, não nos seus direitos como cidadãos, que também o são, mas de violação sexual. Todos os anos são muitas as queixas de violação que chegam ao conhecimento das autoridades mas muitas outras ficam p´lo caminho devido á vergonha e ao sentimento de marginalidade que as mulheres sentem depois de uma violação.
 As violações não acontecem apenas fora de casa, acontece com muita frequência nas pessoas que mais nos são próximas ( pais, padrastos, tios, primos, amigos ) são muitas vezes estes que ganhando a confiança da familia, usam a mesma para se aproximar e violar.
Muitas têm sido as lutas ao longo dos tempos,...mas ainda falta muito para as mulheres deixem de ser vitimas. O analfabetismo, ainda atinge muitas mulheres, o retrato feliz das mulheres em casa a tomar conta dos filhos enquanto o marido parte para ganhar a vida,...já não pertence aos nossos dias, hoje a mulher desempenha também uma força fundamental para o sustento da casa e da familia, é ela que faz muitas vezes milagres para manter a harmonia familar. Embora a mulher tenha vindo a desempenhar progressivamente uma importância cada vez maior no orçamento familiar, não se tenham ilusões, a sociedade ainda não a reconhece plenamente como pessoa a quem se deve dar o direito de se realizar, mas sim porque muitas vezes a mão-de-obra feminina é mais barata e ideal para certo tipo de actividades, tal como o trabalho infantil não ser uma realidade para as crianças serem serem mais amadas, o trabalho feminino é apenas uma constatação de que a mulher em muitos casos continua a ser uma excelente galinha dos ovos de ouro.
A escolha de uma mulher para este ou aquele cargo de responsabilidade( e não quero generalizar), pode trazer quer se queira ou não uma intenção mais ou menos psicológica.
MULHER
MÃE-EDUCADORA-AMANTE
Obreira de sete oficios, a mulher merece cada vez mais o seu lugar de destaque na sociedade.
A portuguesa garante igualdade de direitos, independetemente do sexo. Porém, entre o que está estipulado no papel e a prática vai uma grande diferença. Preconceitos e discriminação perpétuam a subalternidade da mulher em relação ao homem. No nosso país, a constituição da républica diz " Ninguém pode ser priviligiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão da ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções politicas ou ideológicas, instrução, situação económica ou condição social". No entanto outros artigos poderiam ser evocados aqui, como prova cabal da existência, no nosso país, de uma legislação que contempla a salvaguarda dos direitos civicos da mulher. Mas, há sempre um mas, aquilo que está consignado na lei é uma coisa e o que acontece na prática pode ser outra, embora protegida por um conjunto de leis( e não se compreende porque são necessárias leis para fazer o que é certo ), a população feminina defronta-se ainda nos dias de hoje com preconceitos e discriminações, nos palcos de guerra são alvo das maiores atrocidades, violações, assédios, maus tratos, abusos,... quer em privado, quer em publico, as mulheres continuam a ser um alvo.
 Durante anos confinada ao papel de mãe de familia e doméstica, a mulher sempre participou em menor numero no mundo do trabalho, hoje ela tem um papel mais activo na contrução da sociedade, mas os seus salários ainda hoje são menores devido apenas ao facto de serem mulheres.
 Nestes meus pensamentos, nestas minhas palavras não esqueço que sou homem, e dia Internacional do Homem, não há. A cada santo ano, a mulher tem o seu dia, tal como a criança, a árvore, a poupança,... este dia pretende ser um grito contra a discriminação a que a mulher tem sido votada. Hoje, volvidas guerras, lutas, ultrapassados tabus sexuais, a mulher continua a viver num mundo que a amam e desprezam. Os numeros frios falam por si, fazem corar de vergonha esta sociedade que chegou a planetas distantes, que tolera a liberdade sexual, que funciona em estruturas onde a palavra democracia pretende ser o núcleo de todas as coisas. A mulher ainda vive numa selva onde o homem dita as leis, não é por acaso que o trabalho de relações publicas é dado preferencialmente a uma mulher. O homem vive obcecado pela imagem feminina, a mulher vive para ser amada e possuida no pensamento de muitos homens, no entanto muitas mulheres foram GRANDES nos bastidores" Por detrás de um grande homem, tem de haver uma grande mulher ", muitas Marias foram e são determinantes para o sucesso de um homem. 
 Muitos homens continuam ainda a achar que a mulher tem de ter um papel secundário na vida e na sociedade; 
Muitos homens continuam a crer que o mundo é do sexo forte; Muitos homens continuam a acreditar na força e não na razão; Muitos homens continuam a achar que a mulher nasceu para servir.
A mulher não é só coração, a mulher é muitas vezes a voz da razão e da consciência; 
A mulher não tem o papel secundário na vida ela tem o papel principal. 
A mulher não é o sexo fraco é o sexo forte; 

Muitos homens esquecem que um dia tiveram MÃE. 
PUBLICADO digitalblueradio às 10:56 | LINK DO POST
O Dia Internacional da Mulher, celebrado a 8 de Março, tem como origem as manifestações das mulheres russas por melhores condições de vida e trabalho e contra a entrada do seu país na Primeira Guerra Mundial. Essas manifestações marcaram o início da Revolução de 1917. Entretanto a ideia de celebrar um dia da mulher já havia surgido desde os primeiros anos do século XX, nos Estados Unidos e na Europa, no contexto das lutas de mulheres por melhores condições de vida e trabalho, bem como pelo direito de voto.
No Ocidente, o Dia Internacional da Mulher foi comemorado no início do século, até a década de 1920. Na antiga União Soviética, durante o stalinismo, o Dia Internacional da Mulher tornou-se elemento de propaganda partidária. Nos países ocidentais, a data foi esquecida durante muito tempo e só foi recuperada pelo movimento feminista, já na década 60. Na actualidade, a celebração do Dia Internacional da Mulher perdeu parcialmente o seu sentido original, adquirindo um carácter festivo e comercial. 

1975 foi designado pela ONU como o Ano Internacional da Mulher e, em Dezembro de 1977, o Dia Internacional da Mulher foi adoptado pelas Nações Unidas, para lembrar as conquistas sociais, políticas e económicas das mulheres. A ideia da existência de um dia internacional da mulher surge no século XX, no contexto da Segunda Revolução Industrial e da Primeira Guerra Mundial, quando ocorre a incorporação da mão-de-obra feminina, em massa, na indústria. Muitas manifestações ocorreram nos anos seguintes, em várias partes do mundo, destacando-se Nova Iorque, Berlim, Viena e São Petersburgo.

O primeiro Dia Internacional da Mulher foi celebrado a 28 de Fevereiro de 1909 nos Estados Unidos, por iniciativa do Partido Socialista da América, em memória do protesto contra as más condições de trabalho das operárias da indústria do vestuário de Nova York. Em 1910, ocorreu a primeira conferência internacional de mulheres, em Copenhaga, dirigida pela Internacional Socialista, quando foi aprovada a proposta da socialista alemã Clara Zetkin, de instituição de um dia internacional da Mulher, embora nenhuma data tivesse sido especificada. No ano seguinte, o Dia Internacional da Mulher foi celebrado a 19 de Março, por mais de um milhão de pessoas, na Áustria, Dinamarca, Alemanha e Suíça. Poucos dias depois, a 25 de Março de 1911, um incêndio na fábrica da Triangle Shirtwaist mataria 146 trabalhadores, a maioria costureiras. O número elevado de mortes foi atribuído às más condições de segurança do edifício. Este foi considerado como o pior incêndio da história de Nova Iorque, até 11 de setembro de 2001. Esse episódio é, com frequência, erroneamente considerado como a origem do Dia Internacional da Mulher.

Em 1915, Alexandra Kollontai organizou uma reunião em Christiania (atual Oslo), contra a guerra. Na Rússia, as comemorações do Dia Internacional da Mulher foram  a faúlha que falatava para o despolutar da Revolução russa de 1917. A 8 de março a greve das operárias da indústria têxtil contra a fome, contra o czar Nicolau II e contra a participação do país na Primeira Guerra Mundial precipitou os acontecimentos que resultaram na Revolução. Após a Revolução a feminista Alexandra Kollontai persuadiu Lenin para torná-lo um dia oficial que, durante o período soviético, permaneceu como celebração da "heróica mulher trabalhadora". No entanto, o feriado rapidamente perderia a vertente política e tornar-se-ia numa ocasião em que os homens manifestavam simpatia ou amor pelas mulheres - uma mistura da festa do Dia da Mãe e do Dia dos Namorados, com oferta de prendas e flores, pelos homens às mulheres. 
No Ocidente, o Dia Internacional da Mulher foi comemorado durante as décadas de 1910 e 1920. Posteriormente, a data caiu no esquecimento e só foi recuperada pelo movimento feminista, já na década de 1960, sendo adotado pelas Nações Unidas, em 1977.
 Opinião Pessoal
Este dia comemora-se anualmente, para além das comemorações a ideia ainda perdura, a mulher continua ainda hoje a ser discriminada, embora menos, mas inada ssim discriminada e vitima de violência. Espancamentos, ofensas corporais, injúrias, violações, roubos, tudo cái sobre a mulher. A violência sobre a mulher acontece na rua e no seio da familia. O desemprego, o desencanto do dia-a-dia, faz da mulher uma das grandes vitimas da sociedade actual. Mas cada vez mais a mulher está a aprender a defender-se e a não permanecer silênciosa sobre os crimes a que são sujeitas. Uma das grandes defensoras das mulheres na violência a que ainda são sujeitas é a APAV( Associação Portuguesa de Apoio á Vitima ), a esta associação continuam ainda nos dias de hoje a chegar queixas de mulheres que de uma maneira ou outra se consideram violentados nos seus direitos e procuram ajuda para fazer valer a sua posição.
 Nos dias de hoje é no seio familiar que a violência contra as mulheres ainda se faz sentir, as mulheres são maltratadas das mais diversas formas, agredidas fisicamente, moralmente e psicológicamente, muitas vezes sob o olhar dos filhos e o silêncio dos vizinhos a quem falta coragem para denunciar e testemunhar dentro do principio popular de que " Entre marido e mulher, não metas a colher ". A mulher é vitima das mais variadas formas, não só de violência doméstica, descriminação, mas também de violação, não nos seus direitos como cidadãos, que também o são, mas de violação sexual. Todos os anos são muitas as queixas de violação que chegam ao conhecimento das autoridades mas muitas outras ficam p´lo caminho devido á vergonha e ao sentimento de marginalidade que as mulheres sentem depois de uma violação.
 As violações não acontecem apenas fora de casa, acontece com muita frequência nas pessoas que mais nos são próximas ( pais, padrastos, tios, primos, amigos ) são muitas vezes estes que ganhando a confiança da familia, usam a mesma para se aproximar e violar.
Muitas têm sido as lutas ao longo dos tempos,...mas ainda falta muito para as mulheres deixem de ser vitimas. O analfabetismo, ainda atinge muitas mulheres, o retrato feliz das mulheres em casa a tomar conta dos filhos enquanto o marido parte para ganhar a vida,...já não pertence aos nossos dias, hoje a mulher desempenha também uma força fundamental para o sustento da casa e da familia, é ela que faz muitas vezes milagres para manter a harmonia familar. Embora a mulher tenha vindo a desempenhar progressivamente uma importância cada vez maior no orçamento familiar, não se tenham ilusões, a sociedade ainda não a reconhece plenamente como pessoa a quem se deve dar o direito de se realizar, mas sim porque muitas vezes a mão-de-obra feminina é mais barata e ideal para certo tipo de actividades, tal como o trabalho infantil não ser uma realidade para as crianças serem serem mais amadas, o trabalho feminino é apenas uma constatação de que a mulher em muitos casos continua a ser uma excelente galinha dos ovos de ouro.
A escolha de uma mulher para este ou aquele cargo de responsabilidade( e não quero generalizar), pode trazer quer se queira ou não uma intenção mais ou menos psicológica.
MULHER
MÃE-EDUCADORA-AMANTE
Obreira de sete oficios, a mulher merece cada vez mais o seu lugar de destaque na sociedade.
A portuguesa garante igualdade de direitos, independetemente do sexo. Porém, entre o que está estipulado no papel e a prática vai uma grande diferença. Preconceitos e discriminação perpétuam a subalternidade da mulher em relação ao homem. No nosso país, a constituição da républica diz " Ninguém pode ser priviligiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão da ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções politicas ou ideológicas, instrução, situação económica ou condição social". No entanto outros artigos poderiam ser evocados aqui, como prova cabal da existência, no nosso país, de uma legislação que contempla a salvaguarda dos direitos civicos da mulher. Mas, há sempre um mas, aquilo que está consignado na lei é uma coisa e o que acontece na prática pode ser outra, embora protegida por um conjunto de leis( e não se compreende porque são necessárias leis para fazer o que é certo ), a população feminina defronta-se ainda nos dias de hoje com preconceitos e discriminações, nos palcos de guerra são alvo das maiores atrocidades, violações, assédios, maus tratos, abusos,... quer em privado, quer em publico, as mulheres continuam a ser um alvo.
 Durante anos confinada ao papel de mãe de familia e doméstica, a mulher sempre participou em menor numero no mundo do trabalho, hoje ela tem um papel mais activo na contrução da sociedade, mas os seus salários ainda hoje são menores devido apenas ao facto de serem mulheres.
 Nestes meus pensamentos, nestas minhas palavras não esqueço que sou homem, e dia Internacional do Homem, não há. A cada santo ano, a mulher tem o seu dia, tal como a criança, a árvore, a poupança,... este dia pretende ser um grito contra a discriminação a que a mulher tem sido votada. Hoje, volvidas guerras, lutas, ultrapassados tabus sexuais, a mulher continua a viver num mundo que a amam e desprezam. Os numeros frios falam por si, fazem corar de vergonha esta sociedade que chegou a planetas distantes, que tolera a liberdade sexual, que funciona em estruturas onde a palavra democracia pretende ser o núcleo de todas as coisas. A mulher ainda vive numa selva onde o homem dita as leis, não é por acaso que o trabalho de relações publicas é dado preferencialmente a uma mulher. O homem vive obcecado pela imagem feminina, a mulher vive para ser amada e possuida no pensamento de muitos homens, no entanto muitas mulheres foram GRANDES nos bastidores" Por detrás de um grande homem, tem de haver uma grande mulher ", muitas Marias foram e são determinantes para o sucesso de um homem. 
 Muitos homens continuam ainda a achar que a mulher tem de ter um papel secundário na vida e na sociedade; 
Muitos homens continuam a crer que o mundo é do sexo forte; Muitos homens continuam a acreditar na força e não na razão; Muitos homens continuam a achar que a mulher nasceu para servir.
A mulher não é só coração, a mulher é muitas vezes a voz da razão e da consciência; 
A mulher não tem o papel secundário na vida ela tem o papel principal. 
A mulher não é o sexo fraco é o sexo forte; 

Muitos homens esquecem que um dia tiveram MÃE. 
PUBLICADO digitalblueradio às 10:56 | LINK DO POST
Um miúdo de 7 anos estava sempre a chatear os pais, porque queria saber como é que tinha nascido. Os pais para o despachar, responderam:
- Olha, estás a ver aquele buraquinho no tecto? Foi por ali que tu nasceste.
O puto, lá se calou. 
Um dia estava a chover e começou a chover dentro de casa através do buraco no teto.
Como o teto era alto, o homem pôs a mulher às cavalitas, para ela meter betume no buraco.
Entretanto toca o telefone, e dizem:
- Olha, eu queria falar com a tua mãe.
- A minha mãe agora não pode, está em cima do meu pai a tapar o buraco por onde eu nasci.

Um português vai pedir emprego num dos maiores armazéns dos EUA, e o gerente sem sequer ler o seu curriculum disse logo:
- Voucé está contratáda!
- Mas então porquê?
- Because eu já cá ter one portugésa e ser muito boa! Veja el a trabalháre, naquel room! 
O português vai até ao "room" e vê o outro português a conversar com um cliente:
- Então eu queria uns anzóis.
- Anzóis? O senhor vai levar estes anzóis de alta qualidade, mas com uns anzóis destes, o senhor vai levar uma cana de pesca do melhor que cá temos!
- Bom, eu...
- Sim, mas com uma cana destas não vai ficar a pescar na margem, leva umas botas destas e assim pode entrar mesmo pelo rio dentro!
- Não sei se...
- Bom, se o senhor quiser mesmo pescar a sério, leva esta lancha com um motor de 30 cavalos, e então é que os mares são seus!!!
- Realmente, tem razão...
- Claro que tenho, mas com uma embarcação destas o senhor não vai pescar só um dia ou dois, vai levar esta roulotte de 16 metros para poder acampar perto do rio.
- Bom, mas e... para puxar a roulotte?
- Para isso leva este Land Rover, último modelo!
- Amigo, você convenceu-me! Levo isso tudo! 
 Depois de o americano sair, o português vai felicitar o seu compatriota:
- Sim senhor, ele entra aqui para comprar anzóis e tu vendes-lhe um barco, um carro e mais uma data de coisas...
- Quais anzóis, ele veio cá comprar Tampax's para a mulher, então eu disse-lhe: 'Amigo! Você tem o fim-de-semana lixado, é melhor dedicar-se à pesca!!!!

Um homem entra num café com uma grande vontade para fazer chichi. Desaperta a portinhola, põe o pirilau de fora, e dirige-se distraidamente para a casa de banho das senhoras. Diz-lhe então o empregado:
- Psst,...ó amigo, isso que está aí é para as senhoras!
- Não! Havia de ser para ti!.





Um homem foi visitar uma fábrica onde se faziam chupetas e preservativos. Durante a visita é acompanhado pelo director. A certa altura, na secção das chuchas ouvem um ruído estranho "Nhac nhac plim nhac nhac plim".
Muito espantado o homem pergunta que barulho era aquele, e o director explicou:
- Quando a máquina faz "nhac nhac" esta a dar o formato à chupeta, quando faz "plim" está a fazer o furo para que o bebé possa chuchar. 
 Mais tarde e já na secção dos preservativos voltam a ouvir o mesmo "nhac nhac plim". O homem muito espantado pergunta:
- Mas aqui não se devia ouvir nenhum plim!
- Pois, mas é que se não fossem os plins nós nunca vendíamos chupetas!


Um dia nasceu o primo do Joãozinho, mas nasceu sem orelhas.
A mãe do Joãozinho tinha que ir visitar o mais novo membro da família, mas não queria levar o Joãozinho pois não se podia imaginar o que ele poderia dizer. Como não havia ninguém para ficar a tomar conta do Joãozinho, ele foi com a mãe visitar o primo. A mãe avisou-o para ficar calado senão ficava um mês de castigo. Quando chegaram a casa da tia, o Joãozinho ficou num canto do quarto, mas logo se apercebeu de que o bebé não tinha orelhas. Foi então que disse:
-Tomara que tenha bons olhos!
Todos ficaram surpreendidos com o gesto solidário do Joãozinho. Então a tia, espantada por ele ter dito uma coisa boa a alguém, perguntou-lhe:
-Joãozinho, que frase bonita disseste. Mas porque é que desejas que ele tenha bons olhos?
-Porque se tiver de usar óculos tá lixado!
Um homem estava a emagrecer a olhos vistos, e por mais que comesse continuava a emagrecer, decide então consultar um médico, que lhe diz que tem uma bicha-solitária, e que deveria de ir a um especialista.
Na rua, de regresso a casa, encontra um amigo e desabafa, fala do seu problema. O amigo recomenda-lhe um curandeiro que fazia milagres. O homem decide então consultar esse curandeiro.
H - Oh, meu amigo, venho consultá-lo por causa de um problema com uma bicha-solitária.
C - Não diga mais nada! Essa é a minha especialidade. Amanhã apareça por cá e traga "um pão, um ovo e um martelo".
H - Um pão, um ovo e um martelo?
C - Sim! Não questione o que eu digo e venha cá amanhã!
O homem lá foi intrigado, mas resolveu voltar com o que o curandeiro tinha pedido.No dia seguinte:
H - Bem, cá estou e trouxe o que me pediu!
C - Óptimo! Deite-se na marquesa de cu para o ar!
O homem lá se deitou, e o médico pegou no martelo e enfiou-lhe o pão e o ovo pelo "dito cujo" acima.
C - Volte cá amanhã e traga a mesma coisa.
O homem assim fez, e durante um mês repetiu-se a mesma cena!
Após um mês, o curandeiro disse-lhe:
- Volte cá amanhã, mas desta vez não traga o ovo.
No dia lá estava o homem, deitou-se na marquesa, e o médico meteu-lhe o pão no "sitio"! E diz ao homem para não se mexer, levanta o martelo e espera!!!
Passados uns minutos, a bicha-solitária meteu a cabeça de fora e disse: Então e o ovo?
Puuuuuuum!

Um casal já estava casado há cinquenta anos. E durante todo esse tempo, a mulher teve uma baú que não abria de maneira nenhuma na frente do marido. Aquele era um segredo só seu. 
 No dia em que completaram 50 anos de casamento, o marido finalmente conseguiu convencer a mulher a abrir a caixa. Ele abriu-a e encontrou 3 grãos de milho e 50.000 Euros.
H- Porquê 3 grãos de milho? - perguntou o marido.
M- Meu amor, desculpa, mas cada vez que eu te traí, coloquei um grão de milho aí dentro.
O marido primeiro ficou nervoso, mas depois pensou um pouco e concluiu que 3 traições em 50 anos até era razoável. Ele também tinha feito o mesmo umas quantas vezes...
H- E os 50.000 Euros, como conseguiste?
M- É que cada vez que enchia a caixinha, vendia o milho...
PUBLICADO digitalblueradio às 10:14 | LINK DO POST
tags:
QUEM SOU EU
PESQUISAR NO BLOG
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
COMENTÁRIOS
31994042009
Perfeito. Me sinto da mesma forma. Parece que desc...
acho que deve ser respeitada... http://www.goiasc...
vc que é de maior tem face e whatsaap vem encontra...
a discografia tem um ep com o titulo errado, onde ...
Armando Gama fomos contemporâneos no Salvador Corr...
A juventude nos leva a caminhos ruins , e procuram...
A primeira fotografia é da Praça Marquês de Pombal...
Eu gosto de ti Beto adorei cd foi muito bom ele é ...
GANHA MENSALMENTE COMO PRESIDENTE DA COMISSÃO EURO...
MAIS COMENTADOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
subscrever feeds
SAPO Blogs