O MELHOR DE TODOS OS TEMPOS
 Alberto Ribeiro nasceu em Ermesinde em 1920.

Oriundo de uma família de artistas, tinha um irmão e uma irmã que também cantavam, mas que não foram muito conhecidos.

Obteve grande popularidade, principalmente depois de ter participado como intérprete principal no filme "Capas Negras" contracenando com Amália Rodrigues, continuando no período que se lhe seguiu como vedeta de cinema em várias películas nacionais e internacionais. Em 1946 é inaugurada no Parque Mayer a “Sala Júlia Mendes” sendo Alberto Ribeiro primeira figura de cartaz ao lado de Amália Rodrigues.

Alberto Ribeiro faleceu em Lisboa no ano de 2000

PUBLICADO digitalblueradio às 18:16 | LINK DO POST
 Alberto Ribeiro nasceu em Ermesinde em 1920.

Oriundo de uma família de artistas, tinha um irmão e uma irmã que também cantavam, mas que não foram muito conhecidos.

Obteve grande popularidade, principalmente depois de ter participado como intérprete principal no filme "Capas Negras" contracenando com Amália Rodrigues, continuando no período que se lhe seguiu como vedeta de cinema em várias películas nacionais e internacionais. Em 1946 é inaugurada no Parque Mayer a “Sala Júlia Mendes” sendo Alberto Ribeiro primeira figura de cartaz ao lado de Amália Rodrigues.

Alberto Ribeiro faleceu em Lisboa no ano de 2000

PUBLICADO digitalblueradio às 18:16 | LINK DO POST
 Alberto Ribeiro nasceu em Ermesinde em 1920.

Oriundo de uma família de artistas, tinha um irmão e uma irmã que também cantavam, mas que não foram muito conhecidos.

Obteve grande popularidade, principalmente depois de ter participado como intérprete principal no filme "Capas Negras" contracenando com Amália Rodrigues, continuando no período que se lhe seguiu como vedeta de cinema em várias películas nacionais e internacionais. Em 1946 é inaugurada no Parque Mayer a “Sala Júlia Mendes” sendo Alberto Ribeiro primeira figura de cartaz ao lado de Amália Rodrigues.

Alberto Ribeiro faleceu em Lisboa no ano de 2000

PUBLICADO digitalblueradio às 18:16 | LINK DO POST
tags:
Ludwig van Beethoven nasceu a 16 ou 17 de dezembro de 1770 em Viena e morreu a 26 de março de 1827.  A sua família era de origem flamenga, o seu avô de quem herdou o nome, nasceu em Antuérpia. O pai de Ludwig, era tenor e foi dele que Beethoven recebeu as primeiras lições de música, estudava música todos os dias, durante muitas horas, desde os cinco anos de idade. No entanto o seu pai era álcoolico e isso influênciou em parte a sua infãncia. 
A sua mãe, Maria Magdalena Kewerich, casou duas vezes, o primeiro marido foi Johann Leym, tiveram apenas um filho, Johann Peter Anton, que nasceu e morreu em 1764. Depois da morte do marido, Magdalena, viúva, casou com Johann van Beethoven, tiveram sete filhos: o primeiro, Ludwig Maria, que nasceu e morreu no ano de 1769; o segundo Ludwig van Beethoven (1770-1827), o compositor, que morreu com 57 anos; o terceiro, Kaspar Anton Carl van Beethoven (1774-1815) que também tinha dotes para a música e que morreu com 41 anos; o quarto, Nicolaus Johann van Beethoven (1776-1848), que se tornou muito rico, graças à indústria farmacêutica, e que morreu com 72 anos; a quinta, Anna Maria, que nasceu e morreu em 1779; o sexto, Franz Georg (1781-1783), que morreu com dois anos de idade e a sétima, Maria Magdalena (1786-1787), que morreu com um ano de idade. Portanto, Beethoven foi o terceiro filho da sua mãe e o segundo do seu pai, teve seis irmãos, quatro dos quais morreram na infância. 
Ludwig nunca teve estudos muito aprofundados, mas sempre revelou um talento excepcional para a música. Com oito anos de idade, foi confiado a Christian Gottlob Neefe o melhor mestre de cravo da cidade. Beethoven compôs as suas primeiras peças aos onze anos de idade, iniciando a carreira de compositor, os seus progressos foram de tal forma notáveis que, em 1784, já era organista-assistente da Capela Eleitoral, e pouco tempo depois, foi violoncelista na orquestra da corte e professor, assumindo já a chefia da família, devido à doença do pai(alcoolismo). Foi nesta altura que conheceu o jovem Conde de Waldstein, a quem mais tarde dedicou algumas das suas obras, pela sua amizade. Este, percebendo o seu grande talento, enviou-o, em 1787, para Viena, a fim de ir estudar com Joseph Haydn. O Arquiduque de Áustria, Maximiliano, subsidiou então os seus estudos. No entanto, teve que regressar pouco tempo depois, assistindo à morte da sua mãe. A partir daí, Ludwig, com apenas dezessete anos, lutou contra as dificuldades financeiras.
Em 1792, já com 21 anos de idade, muda-se para Viena onde permanecerá para o resto da vida. Procura então complementar mais os seus estudos, o que o leva a ter aulas com Antonio Salieri, com Foerster e Albrechtsberger. Tornou-se um pianista virtuoso, cultivando admiradores. Foi em Viena que lhe surgiram os primeiros sintomas da sua grande tragédia. Foi-lhe diagnosticado, por volta de 1796, tinha Ludwig os seus 26 anos de idade, a congestão dos centros auditivos internos, o que lhe transtornou bastante o espírito, levando-o a isolar-se e a grandes depressões. Consultou vários médicos, fez curativos, realizou balneoterapia, usou cornetas acústicas, mudou de ares; mas os seus ouvidos permaneciam arrolhados. Desesperado, entrou em profunda crise depressiva e pensou em suicidar-se. 
Embora tenha feito muitas tentativas para se tratar, durante os anos seguintes, a doença continuou a progredir e, aos 46 anos de idade (1816), estava praticamente surdo. Porém, ao contrário do que muitos pensam, Ludwig jamais perdeu a audição por completo, muito embora nos seus últimos anos de vida a tivesse perdido. De 1816 até 1827, ano da sua morte, compôs cerca de 44 obras musicais. A sua influência na história da música foi imensa. Ao morrer, a 26 de Março de 1827, estava a trabalhar numa nova sinfonia, assim como projectava escrever um "Requiem".
Ao contrário de Mozart, que foi enterrado anonimamente numa vala comum (o que era o costume na época), cerca de 20.000 cidadãos vienenses enfileiraram-se nas ruas para o funeral de Beethoven, a 29 de março de 1827. Franz Schubert, que morreu no ano seguinte e foi enterrado ao lado de Beethoven, foi um dos portadores da tocha. Beethoven foi enterrado no cemitério Währing em Viena, os seus restos mortais foram exumados para estudo, em 1862, sendo transferidos em 1888 para o Cemitério Central de Viena.

Há controvérsias sobre a causa da morte de Beethoven, muitos apontam para cirrose alcoólica outros para sífilis, hepatite e até mesmo envenenamento. Beethoven compôs uma das musicas clássicas da minha preferência pessoal a "Eroica".
Túmulo de Ludwig van Beethoven em Viena, Áustria
PUBLICADO digitalblueradio às 16:35 | LINK DO POST
tags:
Ludwig van Beethoven nasceu a 16 ou 17 de dezembro de 1770 em Viena e morreu a 26 de março de 1827.  A sua família era de origem flamenga, o seu avô de quem herdou o nome, nasceu em Antuérpia. O pai de Ludwig, era tenor e foi dele que Beethoven recebeu as primeiras lições de música, estudava música todos os dias, durante muitas horas, desde os cinco anos de idade. No entanto o seu pai era álcoolico e isso influênciou em parte a sua infãncia. 
A sua mãe, Maria Magdalena Kewerich, casou duas vezes, o primeiro marido foi Johann Leym, tiveram apenas um filho, Johann Peter Anton, que nasceu e morreu em 1764. Depois da morte do marido, Magdalena, viúva, casou com Johann van Beethoven, tiveram sete filhos: o primeiro, Ludwig Maria, que nasceu e morreu no ano de 1769; o segundo Ludwig van Beethoven (1770-1827), o compositor, que morreu com 57 anos; o terceiro, Kaspar Anton Carl van Beethoven (1774-1815) que também tinha dotes para a música e que morreu com 41 anos; o quarto, Nicolaus Johann van Beethoven (1776-1848), que se tornou muito rico, graças à indústria farmacêutica, e que morreu com 72 anos; a quinta, Anna Maria, que nasceu e morreu em 1779; o sexto, Franz Georg (1781-1783), que morreu com dois anos de idade e a sétima, Maria Magdalena (1786-1787), que morreu com um ano de idade. Portanto, Beethoven foi o terceiro filho da sua mãe e o segundo do seu pai, teve seis irmãos, quatro dos quais morreram na infância. 
Ludwig nunca teve estudos muito aprofundados, mas sempre revelou um talento excepcional para a música. Com oito anos de idade, foi confiado a Christian Gottlob Neefe o melhor mestre de cravo da cidade. Beethoven compôs as suas primeiras peças aos onze anos de idade, iniciando a carreira de compositor, os seus progressos foram de tal forma notáveis que, em 1784, já era organista-assistente da Capela Eleitoral, e pouco tempo depois, foi violoncelista na orquestra da corte e professor, assumindo já a chefia da família, devido à doença do pai(alcoolismo). Foi nesta altura que conheceu o jovem Conde de Waldstein, a quem mais tarde dedicou algumas das suas obras, pela sua amizade. Este, percebendo o seu grande talento, enviou-o, em 1787, para Viena, a fim de ir estudar com Joseph Haydn. O Arquiduque de Áustria, Maximiliano, subsidiou então os seus estudos. No entanto, teve que regressar pouco tempo depois, assistindo à morte da sua mãe. A partir daí, Ludwig, com apenas dezessete anos, lutou contra as dificuldades financeiras.
Em 1792, já com 21 anos de idade, muda-se para Viena onde permanecerá para o resto da vida. Procura então complementar mais os seus estudos, o que o leva a ter aulas com Antonio Salieri, com Foerster e Albrechtsberger. Tornou-se um pianista virtuoso, cultivando admiradores. Foi em Viena que lhe surgiram os primeiros sintomas da sua grande tragédia. Foi-lhe diagnosticado, por volta de 1796, tinha Ludwig os seus 26 anos de idade, a congestão dos centros auditivos internos, o que lhe transtornou bastante o espírito, levando-o a isolar-se e a grandes depressões. Consultou vários médicos, fez curativos, realizou balneoterapia, usou cornetas acústicas, mudou de ares; mas os seus ouvidos permaneciam arrolhados. Desesperado, entrou em profunda crise depressiva e pensou em suicidar-se. 
Embora tenha feito muitas tentativas para se tratar, durante os anos seguintes, a doença continuou a progredir e, aos 46 anos de idade (1816), estava praticamente surdo. Porém, ao contrário do que muitos pensam, Ludwig jamais perdeu a audição por completo, muito embora nos seus últimos anos de vida a tivesse perdido. De 1816 até 1827, ano da sua morte, compôs cerca de 44 obras musicais. A sua influência na história da música foi imensa. Ao morrer, a 26 de Março de 1827, estava a trabalhar numa nova sinfonia, assim como projectava escrever um "Requiem".
Ao contrário de Mozart, que foi enterrado anonimamente numa vala comum (o que era o costume na época), cerca de 20.000 cidadãos vienenses enfileiraram-se nas ruas para o funeral de Beethoven, a 29 de março de 1827. Franz Schubert, que morreu no ano seguinte e foi enterrado ao lado de Beethoven, foi um dos portadores da tocha. Beethoven foi enterrado no cemitério Währing em Viena, os seus restos mortais foram exumados para estudo, em 1862, sendo transferidos em 1888 para o Cemitério Central de Viena.

Há controvérsias sobre a causa da morte de Beethoven, muitos apontam para cirrose alcoólica outros para sífilis, hepatite e até mesmo envenenamento. Beethoven compôs uma das musicas clássicas da minha preferência pessoal a "Eroica".
Túmulo de Ludwig van Beethoven em Viena, Áustria
PUBLICADO digitalblueradio às 16:35 | LINK DO POST
tags:
Ludwig van Beethoven nasceu a 16 ou 17 de dezembro de 1770 em Viena e morreu a 26 de março de 1827.  A sua família era de origem flamenga, o seu avô de quem herdou o nome, nasceu em Antuérpia. O pai de Ludwig, era tenor e foi dele que Beethoven recebeu as primeiras lições de música, estudava música todos os dias, durante muitas horas, desde os cinco anos de idade. No entanto o seu pai era álcoolico e isso influênciou em parte a sua infãncia. 
A sua mãe, Maria Magdalena Kewerich, casou duas vezes, o primeiro marido foi Johann Leym, tiveram apenas um filho, Johann Peter Anton, que nasceu e morreu em 1764. Depois da morte do marido, Magdalena, viúva, casou com Johann van Beethoven, tiveram sete filhos: o primeiro, Ludwig Maria, que nasceu e morreu no ano de 1769; o segundo Ludwig van Beethoven (1770-1827), o compositor, que morreu com 57 anos; o terceiro, Kaspar Anton Carl van Beethoven (1774-1815) que também tinha dotes para a música e que morreu com 41 anos; o quarto, Nicolaus Johann van Beethoven (1776-1848), que se tornou muito rico, graças à indústria farmacêutica, e que morreu com 72 anos; a quinta, Anna Maria, que nasceu e morreu em 1779; o sexto, Franz Georg (1781-1783), que morreu com dois anos de idade e a sétima, Maria Magdalena (1786-1787), que morreu com um ano de idade. Portanto, Beethoven foi o terceiro filho da sua mãe e o segundo do seu pai, teve seis irmãos, quatro dos quais morreram na infância. 
Ludwig nunca teve estudos muito aprofundados, mas sempre revelou um talento excepcional para a música. Com oito anos de idade, foi confiado a Christian Gottlob Neefe o melhor mestre de cravo da cidade. Beethoven compôs as suas primeiras peças aos onze anos de idade, iniciando a carreira de compositor, os seus progressos foram de tal forma notáveis que, em 1784, já era organista-assistente da Capela Eleitoral, e pouco tempo depois, foi violoncelista na orquestra da corte e professor, assumindo já a chefia da família, devido à doença do pai(alcoolismo). Foi nesta altura que conheceu o jovem Conde de Waldstein, a quem mais tarde dedicou algumas das suas obras, pela sua amizade. Este, percebendo o seu grande talento, enviou-o, em 1787, para Viena, a fim de ir estudar com Joseph Haydn. O Arquiduque de Áustria, Maximiliano, subsidiou então os seus estudos. No entanto, teve que regressar pouco tempo depois, assistindo à morte da sua mãe. A partir daí, Ludwig, com apenas dezessete anos, lutou contra as dificuldades financeiras.
Em 1792, já com 21 anos de idade, muda-se para Viena onde permanecerá para o resto da vida. Procura então complementar mais os seus estudos, o que o leva a ter aulas com Antonio Salieri, com Foerster e Albrechtsberger. Tornou-se um pianista virtuoso, cultivando admiradores. Foi em Viena que lhe surgiram os primeiros sintomas da sua grande tragédia. Foi-lhe diagnosticado, por volta de 1796, tinha Ludwig os seus 26 anos de idade, a congestão dos centros auditivos internos, o que lhe transtornou bastante o espírito, levando-o a isolar-se e a grandes depressões. Consultou vários médicos, fez curativos, realizou balneoterapia, usou cornetas acústicas, mudou de ares; mas os seus ouvidos permaneciam arrolhados. Desesperado, entrou em profunda crise depressiva e pensou em suicidar-se. 
Embora tenha feito muitas tentativas para se tratar, durante os anos seguintes, a doença continuou a progredir e, aos 46 anos de idade (1816), estava praticamente surdo. Porém, ao contrário do que muitos pensam, Ludwig jamais perdeu a audição por completo, muito embora nos seus últimos anos de vida a tivesse perdido. De 1816 até 1827, ano da sua morte, compôs cerca de 44 obras musicais. A sua influência na história da música foi imensa. Ao morrer, a 26 de Março de 1827, estava a trabalhar numa nova sinfonia, assim como projectava escrever um "Requiem".
Ao contrário de Mozart, que foi enterrado anonimamente numa vala comum (o que era o costume na época), cerca de 20.000 cidadãos vienenses enfileiraram-se nas ruas para o funeral de Beethoven, a 29 de março de 1827. Franz Schubert, que morreu no ano seguinte e foi enterrado ao lado de Beethoven, foi um dos portadores da tocha. Beethoven foi enterrado no cemitério Währing em Viena, os seus restos mortais foram exumados para estudo, em 1862, sendo transferidos em 1888 para o Cemitério Central de Viena.

Há controvérsias sobre a causa da morte de Beethoven, muitos apontam para cirrose alcoólica outros para sífilis, hepatite e até mesmo envenenamento. Beethoven compôs uma das musicas clássicas da minha preferência pessoal a "Eroica".
Túmulo de Ludwig van Beethoven em Viena, Áustria
PUBLICADO digitalblueradio às 16:35 | LINK DO POST
tags:
 Localizada no Extremo Noroeste do País, no Alto Minho, Melgaço é uma bonita vila, sede do concelho mais a norte de Portugal, inserida numa região montanhosa, banhada pelo Rio Minho, que desde cedo toldou o estilo de vida das populações, que com ele têm uma estreita ligação. 

A ocupação humana da região é muito antiga, encontrando-se diversos monumentos megalíticos pelo município, cujo exemplo mais significativo encontra-se talvez em Castro Laboreiro, onde foram descobertos várias marcas dos povos primitivos que aqui habitaram durante diferentes épocas.
 Situada na fronteira Espanhola, Melgaço sempre representou um papel defensivo estratégico, sendo palco de vários acontecimentos históricos ao longo dos séculos, tendo a actual localidade se formado ao redor do seu Castelo, do qual parte ainda hoje se mantém sobranceiro à vila. 
Região verdejante, tipicamente Minhota, de forte e fértil vegetação, onde se fabrica uma das mais sublimes castas de Vinho verde, o famoso Alvarinho, Melgaço orgulha-se do seu bonito património histórico, cultural e arquitectónico, inserido no maravilhoso Parque Nacional da Peneda-Gerês.
 Diversas casas senhoriais e brasonadas e pequenos palacetes enriquecem esta paisagem minhota, por entre outros monumentos de destaque, como as Capelas de Nossa Senhora da Orada e de São Julião com o seu belo cruzeiro. 

Usufruindo dos excelentes recursos naturais da região, encontram-se as Termas de Melgaço, ou Termas do Peso, munidas de diversas estruturas de apoio, cujas indicações terapêuticas vão desde afecções das vias respiratórias, afecções reumáticas e músculo-esqueléticas a diabetes.

Nas redondezas importa não perder o Mosteiro de Fiães e a Igreja de Paderne, todos em estilo românico, marcado pela lenta passagem do tempo.
PUBLICADO digitalblueradio às 15:53 | LINK DO POST
tags:
 Localizada no Extremo Noroeste do País, no Alto Minho, Melgaço é uma bonita vila, sede do concelho mais a norte de Portugal, inserida numa região montanhosa, banhada pelo Rio Minho, que desde cedo toldou o estilo de vida das populações, que com ele têm uma estreita ligação. 

A ocupação humana da região é muito antiga, encontrando-se diversos monumentos megalíticos pelo município, cujo exemplo mais significativo encontra-se talvez em Castro Laboreiro, onde foram descobertos várias marcas dos povos primitivos que aqui habitaram durante diferentes épocas.
 Situada na fronteira Espanhola, Melgaço sempre representou um papel defensivo estratégico, sendo palco de vários acontecimentos históricos ao longo dos séculos, tendo a actual localidade se formado ao redor do seu Castelo, do qual parte ainda hoje se mantém sobranceiro à vila. 
Região verdejante, tipicamente Minhota, de forte e fértil vegetação, onde se fabrica uma das mais sublimes castas de Vinho verde, o famoso Alvarinho, Melgaço orgulha-se do seu bonito património histórico, cultural e arquitectónico, inserido no maravilhoso Parque Nacional da Peneda-Gerês.
 Diversas casas senhoriais e brasonadas e pequenos palacetes enriquecem esta paisagem minhota, por entre outros monumentos de destaque, como as Capelas de Nossa Senhora da Orada e de São Julião com o seu belo cruzeiro. 

Usufruindo dos excelentes recursos naturais da região, encontram-se as Termas de Melgaço, ou Termas do Peso, munidas de diversas estruturas de apoio, cujas indicações terapêuticas vão desde afecções das vias respiratórias, afecções reumáticas e músculo-esqueléticas a diabetes.

Nas redondezas importa não perder o Mosteiro de Fiães e a Igreja de Paderne, todos em estilo românico, marcado pela lenta passagem do tempo.
PUBLICADO digitalblueradio às 15:53 | LINK DO POST
tags:
 Localizada no Extremo Noroeste do País, no Alto Minho, Melgaço é uma bonita vila, sede do concelho mais a norte de Portugal, inserida numa região montanhosa, banhada pelo Rio Minho, que desde cedo toldou o estilo de vida das populações, que com ele têm uma estreita ligação. 

A ocupação humana da região é muito antiga, encontrando-se diversos monumentos megalíticos pelo município, cujo exemplo mais significativo encontra-se talvez em Castro Laboreiro, onde foram descobertos várias marcas dos povos primitivos que aqui habitaram durante diferentes épocas.
 Situada na fronteira Espanhola, Melgaço sempre representou um papel defensivo estratégico, sendo palco de vários acontecimentos históricos ao longo dos séculos, tendo a actual localidade se formado ao redor do seu Castelo, do qual parte ainda hoje se mantém sobranceiro à vila. 
Região verdejante, tipicamente Minhota, de forte e fértil vegetação, onde se fabrica uma das mais sublimes castas de Vinho verde, o famoso Alvarinho, Melgaço orgulha-se do seu bonito património histórico, cultural e arquitectónico, inserido no maravilhoso Parque Nacional da Peneda-Gerês.
 Diversas casas senhoriais e brasonadas e pequenos palacetes enriquecem esta paisagem minhota, por entre outros monumentos de destaque, como as Capelas de Nossa Senhora da Orada e de São Julião com o seu belo cruzeiro. 

Usufruindo dos excelentes recursos naturais da região, encontram-se as Termas de Melgaço, ou Termas do Peso, munidas de diversas estruturas de apoio, cujas indicações terapêuticas vão desde afecções das vias respiratórias, afecções reumáticas e músculo-esqueléticas a diabetes.

Nas redondezas importa não perder o Mosteiro de Fiães e a Igreja de Paderne, todos em estilo românico, marcado pela lenta passagem do tempo.
PUBLICADO digitalblueradio às 15:53 | LINK DO POST
tags:
Um Chinês entra num bar em Nova York, vê o Steven Spielberg.
-Olha o Spielberg! Gostava de o conhecer...Pensa ele.
O Spielberg passa pelo Chinês e espeta-lhe um murro.
-Hei...Porque é que fez isso? -Pergunta o Chinês.
-Vocês Japoneses mataram o meu avô quando bombardearam Pearl Harbour.
-Mas eu não sou Japonês! Sou Chinês.
-Chineses, Tailandeses, Japoneses é tudo o mesmo.
-O Spielberg vai para se ir embora, o Chinês chega-se ao pé e enfia-lhe um murro.
-Então?...Para que foi isso? -Pergunta o Spielberg.
-Estúpido Americano! Tu matas-te a minha avó quando afundas-te o Titanic...
-Mas não fui eu que afundei o Titanic ! Foi um iceberg !
-Iceberg, Carlsberg, Spielberg é tudo o mesmo!!!
Clube de Nudismo
Um homem entra para um clube de nudismo muito exclusivo. No primeiro dia, tira a roupa e vai dar uma volta pelo clube. Uma loura passa por ele, e o homem imediatamente tem uma brutal ereção. A mulher percebe, aproxima-se, e diz:
- Olá, chamou por mim?
- Como ?
Diz ela:
- Você deve ser novo aqui no clube... Deixe-me explicar, é uma regra aqui, que se você têm uma ereção a olhar para mim, fica implícito que você está a chamar por mim! 
Ela leva-o para um recanto do clube, deita-se numa toalha, puxa-o para si e deixa-o ter sexo com ela.
O homem continua a explorar as dependências do clube, entra na Sauna e, ao sentar-se, peida-se. Aparece um fulano forte, peludo, saindo da nuvem de vapor, dirige-se a ele e diz:
- Chamou por mim?
- Eu não,...não, foi engano!!!!
Mas o fulano não vai de modas, vira-o de costas, curva-o para a frente e,...."vira milho".
O homem, cambaleante, vai ao escritório do clube, onde a gerente o atende:
-Posso ajudá-lo?
Diz o homem:
- Olhe, está aqui o meu cartão, pode ficar com ele, e com o dinheiro da inscrição, que eu não volto mais aqui!!!
- Mas porquê ? - responde ela - o senhor só esteve aqui por algumas horas. 
O homem responde:
- Olhe menina, tenho 68 anos de idade, tenho apenas uma ereção por semana, mas peido-me 15 vezes por dia.
- Vou-me embora!!
O marido chega a casa e diz à mulher que têm uma reunião às 22 horas, mas que não iria... pois considerava um absurdo, marcarem uma reunião para aquela hora.
Mas a mulher, preocupada com a carreira do marido, convence-o que o trabalho é importante.
O marido, esperto, vai então tomar um banho para se preparar e pensa: “Foi mais fácil do que eu pensava!”
Como todas as mulheres, quando o homem vai para o banho, revista o bolso do casaco e encontra um bilhete onde estava escrito: “Amor, estou à tua espera para comermos um pato com molho branco. Beijão, Sheila”
Quando o marido sai do banho encontra a mulher com uma camisa de dormir transparente, toda fogosa e deitada á sua espera.
O marido não resiste e ... cá vai disto!
A mulher dá-lhe o tratamento completo, exausto, vira-se para lado e adormece.
Quando se aproxima a hora, a mulher acorda o marido.
Este diz que não querer ir à reunião, mas ela convence-o novamente da importância do trabalho. O homem lá se levanta.
Ao chegar a casa da amante, está arrasado.
Cansado, diz-lhe que trabalhou muito, que iria tomar um banho e descansar um bocado.
Quando ele foi para o banho ela revista o bolso do casaco, e encontra um bilhete onde estava escrito:
“Querida Sheila, o pato foi, mas o molho branco ficou todo aqui...Beijão.., A Esposa.”

PUBLICADO digitalblueradio às 12:05 | LINK DO POST
tags:
QUEM SOU EU
PESQUISAR NO BLOG
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
COMENTÁRIOS
31994042009
Perfeito. Me sinto da mesma forma. Parece que desc...
acho que deve ser respeitada... http://www.goiasc...
vc que é de maior tem face e whatsaap vem encontra...
a discografia tem um ep com o titulo errado, onde ...
Armando Gama fomos contemporâneos no Salvador Corr...
A juventude nos leva a caminhos ruins , e procuram...
A primeira fotografia é da Praça Marquês de Pombal...
Eu gosto de ti Beto adorei cd foi muito bom ele é ...
GANHA MENSALMENTE COMO PRESIDENTE DA COMISSÃO EURO...
MAIS COMENTADOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
COMENTÁRIOS
subscrever feeds
SAPO Blogs